Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Candidato à PGJ busca “retomada das atribuições tradicionais” do MP-SP

Antonio Carlos Da Ponte critica falta de projeto da atual gestão e destaca prioridade em combate a crimes e defesa de vulneráveis

Por Ramiro Brites Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 23 jan 2024, 15h58 - Publicado em 23 jan 2024, 15h37

A ida do procurador-geral de Justiça de São Paulo, Mario Sarrubbo, à Secretaria de Segurança Pública, de Ricardo Lewandowski, antecipou a disputa pela sucessão. São três candidatos aliados ao atual chefe do Ministério Público (José Carlos Cosenzo, Paulo Oliveira e Costa e Tereza Exner), enquanto as propostas de oposição são de José Bonilha e Antonio Carlos da Ponte.

No pleito entre os promotores, em 2020, Da Ponte foi o mais votado, mas, na lista tríplice, preterido pelo então governador João Dória, que escolheu Sarrubbo à PGJ. O postulante à chefia do MP paulista atribui a disputa mais acirrada neste ano à eleição de Tarcísio de Freitas, e os “novos ares no Palácio dos Bandeirantes”.

“Eu lanço meu nome a procurador-geral de Justiça, apresentando um projeto que busca fazer com que o Ministério Público seja mais eficiente, que as respostas sejam dadas num curto espaço de tempo, em que haja também uma atualização. Uma atuação proativa e resolutiva”, disse ao Radar.

“Projeto esse que busca a retomada de atribuições tradicionais do MP, como o fortalecimento ao enfrentamento à criminalidade ordinária, à criminalidade organizada, às novas formas de criminalidade, uma atenção toda especial à questão da infância, da juventude, o enfrentamento e o combate à corrupção e a tutela aos interesses de força e coletivos”, acrescentou.

Promotor do 1º Tribunal do Júri da Capital por 19 anos, Da Ponte critica o atual momento do Ministério Público ao dizer que o número de promotores daquela Corte caiu quase pela metade desde àquela época: “prova que não houve uma preocupação no sentido de aperfeiçoamento”. O candidato também defende que os promotores criminais “não foram prestigiados do modo como deveriam ser”.

Continua após a publicidade

Ele ainda fala que “essa última gestão foi uma gestão sem projeto”. Destaca o trabalho do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado de São Paulo, mas ressalta que “o Gaeco necessita, na verdade, ser fortalecido”.

Da Ponte se diz “completamente contrário a discriminação das drogas” e também é contra à descriminalização do abroto. Em relação a ampliação do direito ao porte de armas, guarda ressalvas.

“Cansei de fazer júri, em que uma pessoa matou a outra, por desentendimento no trânsito porque ela estava armada. Se ela não estivesse armada, aquele desentendimento, não resultaria em uma morte”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.