Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
O Som e a Fúria Por Felipe Branco Cruz Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal

O que falta para Anitta fazer do hit ‘Envolver’ uma nova ‘Despacito’

Sucesso em espanhol tornou a cantora a primeira brasileira a atingir o topo da parada global do Spotify - e não deve parar por ai

Por Amanda Capuano Atualizado em 25 mar 2022, 16h18 - Publicado em 26 mar 2022, 10h30

Na sexta-feira, 25, Anitta se tornou a primeira brasileira a assumir o topo da parada global de músicas do Spotify, com o hit Envolver. Lançada em novembro, a faixa em espanhol exala um gingado latino – e o fato dessa fórmula contagiar o mundo não chega a ser novidade. Antes de Anitta, os porto-riquenhos Luis Fonsi e Daddy Yankee explodiram em escala planetária com o hit Despacito. Lançado em 2017, o sucesso inescapável (e para muitos insuportável) foi a primeira música latina a liderar a parada hoje dominada por Anitta, abrindo caminho para que outras canções em espanhol a seguissem. Embalada para as dancinhas da era TikTok, Envolver já desperta uma especulação: teria ela potencial para tornar-se uma nova Despacito?

Igualar-se ao hit de Fonsi e Yankee, porém, não é tarefa fácil. Com seu refrão arrasa-quarteirões, a canção acumula, cinco anos depois da estreia, 1,36 bilhão de reproduções na versão original, e 1,53 bilhão no remix feito por Justin Bieber. Em maio de 2017, quando a versão com Bieber chegou ao topo, a canção original, lançada em janeiro, já acumulava mais de 300 milhões de reproduções na plataforma. Envolver foi ouvida até hoje  79,4 milhões de vezes – número expressivo o suficiente para colocar Anitta no topo, mais ainda longe do primeiro hit latino a chegar ao lugar mais alto do pódio. Se seguir nesse ritmo, porém, a cantora tem tudo para que seu sucesso se amplie.

Impulsionada nas redes sociais com o desafio “El paso de Anitta”, em que usuários de redes como Tik Tok e Instagram compartilham vídeos tentando reproduzir a coreografia, a canção viralizou e se tornou um fenômeno de reproduções. Anitta, que de boba não tem nada, aproveitou a onda, e fez campanha para seguir escalando a parada. “Eu nunca vi o Brasil tão unido pra uma coisa, parecia Copa do Mundo. Muito obrigada. Não sei se vamos continuar no número 1, mas só de ter batido lá já é algo que a gente nunca viu no nosso país”, comentou em um vídeo de agradecimento. “O Brasil está me ajudando demais a subir essa música, mas metade dos plays é internacional. A viralização começou lá fora e é resultado de anos e anos de persistência”, esclareceu ela.

O sucesso internacional é um ponto-chave para que o hit continue a evoluir. Além das estratégias de marketing de Anitta, que já se mostraram promissoras, pesa a favor dela também o fato de que o espanhol está cada vez mais em alta no cenário musical. Em 2020 e 2021, o porto-riquenho Bad Bunny foi o artista mais ouvido no Spotify, com letras inteiramente cantadas no idioma nativo. Uma pesquisa da revista The Economist publicada em janeiro também mostrou que o inglês perdeu espaço nas paradas musicais nos últimos cinco anos: nos países latinos, a língua anglófona passou de 25% dos hits para apenas 14%. Já onde a língua nativa não é nem o inglês, nem o espanhol, como é o caso do Brasil, a queda foi de 52% para 30%. Inteligente, e sempre ligada nas tendências, Anitta colhe hoje os frutos de anos de estratégia para se firmar no mercado internacional. Agora, é esperar para ver até onde o mundo irá se deixar envolver.

Confira o clipe de Envolver:

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)