Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Um dia histórico (e vergonhoso) para as Forças Armadas

O 8 de fevereiro de 2024 é a data mais vergonhosa para o Exército, Marinha e Aeronáutica desde a ditadura militar

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
9 fev 2024, 09h23

O dia 8 de fevereiro de 2024 ficará marcado na História brasileira como a mais vergonhosa data para as Forças Armadas desde a ditadura militar.

O 31 de março de 1964, dia do golpe, e o 13 de dezembro de 1968, golpe dentro do golpe, encabeçam uma lista que passa por outras desonras, como na “revolta paulista” de 1924 há um século.

Mas é assustador que, sessenta anos após o golpe, os militares novamente estejam envolvidos em uma intentona contra a democracia brasileira – desta vez, uma tentativa que não se concretizou.

Ainda bem.

Nesta quinta-feira, 8 – e, por isso, ela entra para a História -, denudou-se a gravidade do que tramavam mais de uma dezena de oficias militares, entre eles um punhado de generais de quatro estrelas liderados por Jair Bolsonaro antes da posse de Lula. A delação do tenente-coronel Mauro Cid e as provas colhidas no curso das investigações são robustas.

Continua após a publicidade

Não se discute mais se o Brasil bolsonarista flertou com o que há de pior, o desrespeito à constituição.

Trata-se de um movimento de extrema-direita que, vestido em parte de farda, era capaz de tentar, mais uma vez, manchar de vermelho a bandeira verde amarela.

O envolvimento desses oficiais da cúpula Forças Armadas na complexa teia golpista encabeçada pelo líder da extrema-direita – tudo segundo a da Polícia Federal – agrava principalmente a situação da caserna de Duque de Caxias, patrono do Exército.

Coronéis e generais em postos importantes da ativa ou até comandantes estavam diretamente envolvidos na conspiração.

Continua após a publicidade

A disposição do general Teófilo Gaspar de Oliveira, ex-chefe do Comando de Operações Terrestres do Exército em participar do golpe é importante exemplo do nível de degradação da farda. O militar estava em posto extremamente estratégico e na linha de frente com as tropas.

As investigações sobre o movimento golpista demonstram que o desrespeito o estado de direito havia penetrado nas Forças Armadas em vários postos, muito além dos próprios integrantes da reserva, como o general Braga Netto ou o general Heleno.

Sabe-se agora, contudo, que o grau de mobilização golpista desses generais da reserva era maior do que se sabia.

A operação Tempus Veritatis escancarou a conspiração contra a democracia dentro do governo Bolsonaro, e o nível do envolvimento das Forças Armadas, que insistem em se portar como se um poder moderador fosse.

Continua após a publicidade

Ao país, urge-se que a política seja extirpada dos quartéis de uma vez por todas. E que o Congresso Nacional dê finalmente celeridade à Proposta de Emenda à Constituição, revelada pela coluna há 11 meses, e que manda para a reserva militares do Exército, Marinha e Aeronáutica que se candidatarem a cargos públicos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.