Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Demissão de chefe do GSI inflama oposição por CPMI de 8 de janeiro

Líderes do governo Lula na Câmara e no Senado agora também defendem abertura de investigação de atos de vandalismo em Brasília

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 19 abr 2023, 20h16

A demissão do chefe do GSI, general Gonçalves Dias, inflamou ainda mais a pressão da oposição ao governo Luiz Inácio Lula da Silva pela abertura da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) de 8 de janeiro, que visa apurar os atos terroristas e de vandalismo em Brasília. Pacheco adiou para 26 de abril a sessão do Congresso que estava prevista para a última terça-feira, 18, e garantiu que a leitura do requerimento de criação da comissão mista ocorreria na próxima semana.

Parlamentares da oposição que chegaram a se manifestar a favor da manutenção da sessão voltaram a pressionar, nesta quarta-feira, 19, a abertura da investigação, apontando que o governo Lula teria “envolvimento” com os atos e que Gonçalves Dias teria sido usado como “boi de piranha”.

“Esse governo tem muito a perder com a CPMI, que foi barrada pelo presidente do Senado Rodrigo Pacheco, mas que não vai escapar de acontecer, principalmente depois dessas imagens”, afirmou Marcel van Hattem (Novo-RS).

“As imagens vazadas são estarrecedoras. Queremos explicações do ministro do GSI. A bomba está no colo do desgoverno petista, por isso temem tanto a CPMI dos atos do dia 8”, se manifestou a deputada Bia Kicis (PL-DF).

O general Gonçalves Dias pediu demissão do cargo de ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República nesta quarta-feira, 19, após divulgação de vídeo em que aparece no Palácio do Planalto durante as invasões de 8 de janeiro.

Continua após a publicidade

Governo apoia CPI

Também nesta quarta-feira, 19, os líderes do governo Lula na Câmara, José Guimarães (PT-CE), e no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), defenderam a instalação da CPMI para apurar os atos.

“De investigação e comissão de inquérito nós entendemos”, afirmou Randolfe, que integrou a CPI da Pandemia durante o governo Jair Bolsonaro.

Até então, a base governista era contrária à criação de um colegiado parlamentar específico para apurar os atos golpistas, por considerar que o governo teria os meios necessários para investigar os crimes.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.