Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Governo abre o caixa para impulsionar reeleição de Bolsonaro

No Palácio do Planalto, a única conta que importa hoje é a dos votos para a reeleição em outubro

Por José Casado Atualizado em 21 fev 2022, 11h02 - Publicado em 21 fev 2022, 08h00

Na manhã da última quinta-feira, o deputado Christino Áureo (PP-RJ) viajava pela estrada que ladeia a cidade de Casimiro de Abreu, no Estado do Rio, quando recebeu uma mensagem do governo. Em minutos, gravou um video e distribuiu por rede social: “Acabei de receber a notícia dada pela ministra Tereza Cristina [da Agricultura], que, mesmo em viagem, fez questão de nos avisar.

“O Pronaf, Programa Nacional de Agricultura Familiar será reaberto” — acrescentou. “Serão R$ 840 milhões de créditos adicionais para a agricultura familiar. Nos próximos dias vai sair uma portaria do Tesouro Nacional.”

Parlamentares aliados do governo, têm sido estimulados na batalha por dupla reeleição — a própria e a de Jair Bolsonaro — por notícias novas, diárias, sobre abertura dos cofres federais.

Áureo, médico veterinário, antigo funcionário do Banco do Brasil, é um político fluminense habituado a ser governo, e pretende continuar assim.

No fim de semana procurou prefeitos da região Norte do Estado do Rio com orientações precisas sobre o acesso a verbas federais durante a temporada eleitoral.

Prefeitos precisam mobilizar pessoal, aconselhou, numa “busca ativa” nos cadastros municipais para localizar pessoas que podem receber benefícios sociais.

No alvo devem estar famílias com renda domiciliar até meio salário mínimo, com idosos, portadores de deficiência física e mulheres vítimas de violência doméstica. Elas funcionam como multiplicadoras das boas notícias governamentais nas áreas pobres das cidades, especialmente nos cultos religiosos, onde não é difícil encontrar evangelizadores do antipetismo.

Pela legislação, essas famílias já têm direito a receber até um salário mínimo mensal. A novidade disseminada por parlamentares é que há previsão de pagamento neste ano eleitoral (na vida real, há dois anos o INSS represa pedidos do gênero, fazendo caixa com o dinheiro pendente de 1,8 milhão de pessoas, quase todos pobre, idosos “em vulnerabilidade” e portadores de deficiência permanente.)

É grande a caixa de surpresas eleitorais que Bolsonaro começou a abrir. Vai além dos R$ 400 mensais do Auxílio Brasil para 18 milhões de famílias sobreviventes na extrema pobreza. Esse dinheiro pode fazer a diferença “entre comer ou não, ser despejado ou conseguir pagar o aluguel”, como diz Guilherme Boulos, aliado de Lula e candidato do Psol ao governo de São Paulo: “Não é pouca coisa em tempos de vacas magras.”

No Palácio do Planalto projeta-se a campanha de reeleição de Bolsonaro com pleno uso do poder, como ocorre nos governos há 24 anos.

Evocar histórias de corrupção e de má gerência nos governos Lula e Dilma Rousseff é parte do cardápio. O complemento é a mobilização de recursos federais em programas sociais,  com foco em públicos específicos.

Continua após a publicidade

Simultaneamente, vai-se contar ao eleitorado uma história sobre “o maior plano assistencial da história do Brasil”, como define o chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, senador e presidente licenciado do PP. “Aceitem que dói menos”, tem repetido à oposição, “são 15 anos de bolsa família num único ano, o auxílio assistencial”,

Em execução, também, está a ideia de enredar opositores numa “união de esforços para garantir comida na mesa”, nas palavras de Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara. Na prática, isso quer dizer provocar um acordo legislativo para redução de tributos sobre gasolina, diesel e gás de cozinha. A negociação já começou, com participação do PT de Lula.

.
Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara — Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Se para o consumidor, o resultado final é incerto por causa do contínuo aumento dos preços do petróleo, sobra certeza sobre quem vai pagar a maior parte da fatura: os governos estaduais, na maioria comandados por adversários de Bolsonaro.

“O barril subiu de menos de US$ 30 para mais US$ 80”, argumentou Lira em redes sociais. “Ou seja, mantendo a alíquota [do ICMS estadual sobre combustíveis, os governadores] arrecadaram quase três vezes mais. É matemática simples.”

Estão previstas, ainda, iniciativas como:

* Subsídio à passagens de ônibus grátis para pessoas com mais de 60 anos;

* Simplificação de contratos de trabalho direcionada a pessoas com até 29 anos de idade, com foco em jovens da periferia urbana que não estudam e estão fora do mercado de trabalho;

* Acenos à classe média no Imposto de Renda do próximo ano, com possibilidade de isenção para 10 milhões de contribuintes, e, também, com novos mecanismos de penhora de bens e garantias. Pretende-se facilitar, por exemplo, o uso de um mesmo imóvel familiar como lastro em diferentes operações de financiamento;

* Renegociação de dívidas de financiamento estudantil, com perdão (92%) e parcelamento do restante (8%) em até 150 meses.

Há uma série de outras medidas delineadas, programadas em coerência com o calendário eleitoral. Não importam os custos, mesmo numa crise econômica, com desequilíbrio fiscal, inflação, juros e dívida pública em alta. No  governo Bolsonaro, a única conta que importa hoje é a dos votos para a reeleição em outubro.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)