Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

De ‘Curtindo a Vida Adoidado’ a ‘Succession’, a jornada de Alan Ruck

Ator fala a VEJA sobre carreira e a trajetória de Connor, o filho excluído da família Roy

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
3 abr 2023, 11h46

Entre os quatro filhos de Logan Roy (Brian Cox), o primogênito, Connor (Alan Ruck), é de longe o mais deslocado. Fruto do primeiro casamento do patriarca da série Succession, Connor não teve nem a chance de desenvolver as ambições dos demais irmãos que disputam o controle da empresa multibilionária da família – na infância ele ficou afastado do pai e viu a mãe lidar com sérios problemas mentais. Na quarta e última temporada, em exibição aos domingos na HBO e na HBO Max, Connor vem ganhando espaço com um casamento à vista e seu estranho e inalcançável desejo de se tornar presidente dos Estados Unidos. A VEJA, o ator de 66 anos, que fez sucesso nos anos 80, no clássico Curtindo a Vida Adoidado, fala sobre a série e sua jornada até aqui.

Entre os irmãos da família Roy, Connor parece o exemplo de uma pessoa que se amparou só no fato da família ser riquíssima e acabou sem um propósito de vida. Como analisa essa particularidade do personagem? Por toda a vida dele, dinheiro nunca foi um problema. Logan se divorciou da mãe de Connor quando ele tinha uns 8 anos de idade. Connor ficou com a mãe que tinha problemas mentais e vivia entre instituições, lidando com abuso de substâncias. Então não foi uma infância feliz. Acho que desde muito cedo, Connor construiu um mundo de fantasia na mente, e o dinheiro era capaz de fazer aquele mundo realidade. Mas ele nunca conquistou nada. Nunca teve um emprego. Ele notou que ninguém precisa dele para nada.

Por isso ele decidiu entrar na política? Exato. A ideia de se tornar presidente é como um último recurso para ele tentar impressionar o pai.

Como está lidando com o fim dessa série que marcou sua carreira? Bem, é agridoce. Pois vou sentir falta de trabalhar com essa equipe. Jesse [Armstrong, criador da série] está certíssimo de encerrar a série agora no auge. Honestamente, acho que é nossa melhor temporada. Acho que os espectadores vão ficar satisfeitos com esse final.

Continua após a publicidade

Está satisfeito com o desfecho da trajetória do Connor? Sim, ele foi um cara divertido para se passar um tempo. Acho que acaba do jeito que deveria para todos eles.

Mia Sara, Matthew Broderick e Alan Ruck em 'Curtindo a Vida Adoidado' -
Mia Sara, Matthew Broderick e Alan Ruck em ‘Curtindo a Vida Adoidado’ – (//Divulgação)

Você ficou mundialmente famoso interpretando o amigo atrapalhado de Ferris Bueller (Matthew Broderick) em Curtindo a Vida Adoidado, de 1986. Como analisa sua trajetória de lá até aqui? Aquele filme foi numa época muito legal da minha vida. Eu tinha feito um espetáculo na Broadway com o Matthew Broderick e em seguida fizemos o filme juntos. Então já éramos amigos, não foi difícil criar aquele laço entre os personagens. Acho que sou tipo uma barata, sabe? Não é fácil se livrar de mim. Sou um sobrevivente de Hollywood.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.