Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

Como Bolsonaro está no centro da farra dos pastores no MEC

Nova crise aberta no centro do governo carrega todos os sinais da lógica de que o presidente manda e o ministro obedece

Por Clarissa Oliveira Atualizado em 23 mar 2022, 13h09 - Publicado em 23 mar 2022, 08h08

A nova crise aberta no governo de Jair Bolsonaro, tendo como protagonista o ministro Milton Ribeiro, expõe a um nível crítico a lógica que pautou nos últimos anos a relação entre o presidente e seus ministros. Pela voz do próprio Milton Ribeiro, a farra comandada por pastores evangélicos no Ministério da Educação era pautada pela mesma dinâmica verbalizada há tempos, sem rodeios, pelo ex-ministro Eduardo Pazuello. No governo, tem um que manda. Os demais obedecem.

+Leia também: O que pode provocar a saída de Milton Ribeiro

No áudio revelado nesta semana pelo jornal Folha de S. Paulo, reforçando as denúncias anteriores do jornal O Estado de S. Paulo, o ministro da Educação diz que atendia a um “pedido especial” do presidente. Bolsonaro é o presidente, cabe a ele ditar a linha do seu governo. Na gravação, Ribeiro não demonstra nenhuma resistência. Pelo contrário. Faz piada e as risadas só cessam porque ele foi exposto pela mesma imprensa incessantemente atacada por seu chefe.

Outros ministros caíram porque, segundo seus relatos, resistiram à pressão vinda do homem que manda.  Luiz Henrique Mandetta diz que se recusou a atender ao pedido do presidente para que assinasse o protocolo de uso da cloroquina no combate à Covid-19 no Ministério da Saúde. Foi um caminho muito parecido que levou à saída de Nelson Teich da mesma pasta.

Sergio Moro, ex-aliado, ex-superministro da Justiça e hoje adversário do presidente, alega ter se recusado a atender aos pedidos do presidente para que interferisse na Polícia Federal. Bolsonaro nega e o tira-teima corre a passos lentos na Justiça.

O histórico de Bolsonaro na relação com seus auxiliares diretos só faz reforçar o que o áudio de Milton Ribeiro expressa com uma clareza cristalina. Pela declaração do ministro, Bolsonaro não só sabia do esquema de favorecimento montado no interior de uma das pastas mais importantes do governo, como estava por trás da operação.

+Giro VEJA: A farra dos pastores evangélicos no MEC e a bênção do ministro

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)