Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

AL VINO

Por Marianne Piemonte
As novidades, tendências e delícias do mundo do vinho sem um gole de “enochatismo”. Marianne Piemonte é jornalista, sommelière e empresária do mercado de vinhos.
Continua após publicidade

“Economia” que dá ressaca na certa: os perigos dos vinhos falsificados

Consumidores caem no conto das super-promoções e levam gato por lebre

Por Marianne Piemonte
Atualizado em 13 Maio 2024, 23h00 - Publicado em 4 ago 2023, 18h53

Turistas brasileiros que estão invadindo a Argentina impulsionados pelo câmbio favorável começaram a cair numa arapuca portenha. Iludidos por super-ofertas nas prateleiras de vinhos de lojas suspeitas, levam para casa, sem saber, rótulos falsificados. Resultado: perdem dinheiro e correm o risco de curtir uma tremenda ressaca.

Uma das que caíram no conto da pechincha “muy amiga” foi a engenheira Isabella M., de 31 anos. Em férias com a família em julho deste ano, ela deparou-se com valores irresistíveis de alguns ícones da viniviticultura argentina: um Catena Zapata (Malbec Argentino – Safra 2019) por 19.000 pesos ou R$ 330. Aparentemente, um golaço etílico. No Brasil, segundo o site da importadora Mistral, o mesmo vinho é vendido a R$ 1.270,70. Outra barganha, na mesma loja pertinho da Corrientes, avenida dos teatros e cinemas da cidade, um Gran Enemigo (Vineyard Gualtalarry) 2019, que no Brasil custa R$ 878,85, estava pelo equivalente de R$ 110.

Isabella não resistiu: arrematou as duas garrafas, guardou no hotel e foi comemorar o “grande negócio” em um jantar com a família. Na mesa, um tio pediu um Catena Zapata, comprado ali no restaurante por seis vezes maior o valor que ela havia gasto há pouco na tal loja suspeita. Desconfiada, Isabela resolveu fotografar o rótulo. Enquanto digeria seu ancho mal passado,  começou a comparar os rótulos e acabou quase com uma indigestão: “Percebi que no rótulo do Catena Zapata do restaurante havia um relevo e o teor alcóolico do vinho também estava diferente daquela garrafa que eu havia comprado na loja. O que eu comprei dizia 13,9% e, na ficha técnica do vinho, no site da vinícola, consta 14%. No Enemigo, a textura do rótulo também parecia bem diferente”.

Depois de cair na real, Isabella voltou à loja para reclamar da arapuca, mas a atendente, na maior cara de pau, alegou que não poderia receber de volta a “mercadoria de luxo”. A brasileira vítima do 171 argentino tentou também contato com as duas vinícolas, que ainda não responderam suas mensagens. “Sei que me empolguei, porque que estavam muito baratos, mas acho que as marcas também são responsáveis”, diz Isabella.

Fonte segura

Vale alertar que esse tipo de golpe não ocorre apenas na Argentina. Há algumas semanas, um post do Rodrigo Malizia, CEO da Cellar Vinhos, trazia uma foto, que alguém enviou para ele, de um Don Melchor (Merlot – Safra 2018), avaliado com a nota 4.3 pelo aplicativo Vivino, custando R$ 500. Com seu jeito carioca, e cheio de razão, ficou muito bravo. Motivo: este vinho não existe! Alguém comprou uma falsificação, postou num aplicativo que não tem chancela ou curadoria alguma. Como ele mesmo diz, trata-se de um “Trip Advisor bem piorado” e que muita gente leva a sério na hora de pesquisar vinho. Em tempo: Dom Melchor é um vinho chileno icônico, da região do Vale do Maipo, símbolo da vinícola Concha y Toro, que tem como uva símbolo a Cabernet Sauvignon.

vinho
O vinho chileno que não existe (reprodução/VEJA)

Se alguém apostou que o Brasil não podia ficar de fora dessa onda de picaretagem etílica, acertou em cheio. Não são raros os casos de apreensões de cargas de vinhos de baixa qualidade por aqui destinados a abastecer fábricas de fundo de quintal. Nesses locais, os “bandidos enólogos” aplicam colocam sobre essas garrafas os rótulos que imitam os de alguns grandes vinhos importados. “O brasileiro está com percepção equivocada, pagando R$ 100 em vinho de descaminho, em uma garrafa que deveria custar R$ 300. Assim, ele atropela todas das pessoas que trabalham na cadeia e também acaba no prejuízo”, diz Gabriel Raeli, sommelier e embaixador dos vinhos do Alentejo no Brasil. Além disso, os produtos atentam contra a saúde, pois as substâncias colocadas nesses clones passam longe da categoria inofensiva.

A regra de ouro para não curtir essa ressaca é desconfiar das superpromoções. Qualquer produto com etiqueta 40% abaixo do valor do mercado é ressaca certa. Jesus transformou água em vinho, é verdade, mas não surgiu mais ninguém capaz de fazer o milagre de criar uma pechincha desse tamanho.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.