Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Rural trocou empréstimo por apoio do governo, diz Gurgel

Por Da Redação
3 ago 2012, 18h48

Por Eduardo Bresciani

Brasília (AE) – O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou que os empréstimos feitos no Banco Rural não foram realizados para serem pagos pela agência de publicidade SMPB ou pelo PT. Segundo ele, o banco fez a ação para obter favorecimentos do governo. Gurgel estimou que o Rural poderia obter vantagem de R$ 1 bilhão na pressão que fazia ao Banco Central em relação à liquidação do banco Mercantil. O Rural teria feito o empréstimo para ganhar o apoio do governo federal, em especial do ex-ministro José Dirceu.

“O ganho do Banco Rural com o levantamento da liquidação superaria a casa do bilhão. Nota-se que foi uma contribuição exageradamente modesta”, ironizou o procurador, que destacou ainda a atuação do ex-ministro para atender ao interesse do banco. “José Dirceu está rigorosamente em todas”, enfatizou.

Ele destacou que não existiam garantias suficientes para a concessão dos empréstimos de R$ 32 milhões feitos à SMPB com aval de integrantes da cúpula do PT, como o ex-presidente José Genoino e o ex-tesoureiro Delúbio Soares. Gurgel disse que análise do Banco Central mostraria que os tomadores do empréstimo e os avalistas teriam uma classificação com a letra H numa escala que começasse pela letra A.

“O banco não tinha preocupação de receber, por isso não se preocupava com as garantias, e os tomadores não tinham intenção de pagar”, diz o procurador.

Continua após a publicidade

São réus no processo por atuação no Banco Rural a ex-presidente do banco Kátia Rabello, os ex-diretores José Roberto Salgado e Ayanna Tenório e o ex-gerente Vinícius Samarane. Rabello ainda é acionista do banco e Samarane diretor. Os outros dois deixaram a instituição.

Gurgel observou ainda que o caso do BMG, em que também foram realizados empréstimos que abasteceram o esquema, não está no processo por haver uma ação sobre o tema na justiça de Minas Gerais.

Acusados da SMPB – Em sua acusação, o procurador já destacou também a atuação de Geysa Dias e Simone Vasconcelos, responsáveis pela área financeira da agência de publicidade SMPB. Geysa era responsável por encaminhar ao Banco Rural as ordens para o saque, tendo também retirado recursos em espécie. Ela também estaria envolvida no envio de recursos para contas de Duda Mendonça no exterior relativos à campanha presidencial do PT de 2002.

Em relação a Simone, o procurador destacou que ela também realizou vultosos saques, um deles no valor de R$ 650 mil – para transportar a quantia, ela teria solicitado auxílio de um carro-forte. Simone teria entregue recursos a outros envolvidos no escândalo, como tesoureiros de partidos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.