Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PCC se expande em “franquias” e leva guerra para outros estados

Investigação revela estratégia de disseminação territorial do grupo e como as lutas entre facções fizeram o número de homicídios explodir em alguns estados

“Eu tenho mais de trinta cadáveres dentro do meu telefone”, disse Rafael Silvestri, no dia 8 de setembro do ano passado, em conversa telefônica com um comparsa do Primeiro Comando da Capital (PCC), a maior e mais perigosa organização criminosa em atividade no Brasil. Ele se jactava das imagens de inimigos mortos que havia recebido em seu celular de comparsas baseados em vários estados brasileiros. Silvestri é a principal “autoridade” do PCC no Nordeste e, nos últimos seis meses, teve seu sigilo telefônico quebrado pela Polícia Civil de Presidente Prudente (SP) juntamente com o de outros 200 membros da facção. O material, colhido no âmbito de um inquérito sigiloso ao qual VEJA teve acesso, ajudou os policiais a deflagrar, no dia 14, a Operação Echelon, que desvendou o modus operandi usado pelos bandidos do PCC para expandir seu domínio sobre o tráfico de drogas nos estados.

Veja também

As investigações levaram a constatações preocupantes. Uma delas: os territórios onde a facção trava disputa com outros grupos criminosos pela hegemonia no tráfico são justamente os que sofreram uma explosão de homicídios em dez anos. Nesse período, o aumento do número de assassinatos por 100 000 habitantes, segundo o Atlas da Violência de 2018, é uma matemática de horrores: 256% no Rio Grande do Norte, 121% em Sergipe, 93% no Acre, 86% no Ceará, 74% no Pará e 72% no Amazonas. Tais áreas são as que mais aparecem nas conversas gravadas pela polícia. Identificadas como zonas conflagradas, são rotas estratégicas para a entrada da cocaína no Brasil e seu escoamento para a Europa. Em São Paulo, onde o PCC surgiu e é hegemônico no tráfico, o vetor é inverso: os homicídios caíram 46% na última década. Por isso, dissemina-se a certeza de que o controle da violência em São Paulo não está nas mãos do governo e suas políticas de segurança. Está nas mãos do PCC.

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Ou adquira a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jose emanuel monteiro

    Tudo na vida tem fundamento, nada acontece por acaso. A expansão do crime organizado é consequência do apodrecimento da moralidade pública, em que os poderes republicanos estão contaminados por todo tipo de corrupção. O tal Atlas da Violência bem que deveria analisar este fato, em vez de ficar com blá blá blá.

    Curtir

  2. news da hora

    O PCC e suas filiais cresceram , graças aos desgovernos de Lula e Dilma que juntos com a orcrim PT , saqueavam o nosso Brasil em bilhões .

    Curtir

  3. news da hora

    Lula e Dilma abriram as fronteiras para os amigos bolivarianos , Farcs e cias trazerem drogas e armas de guerra para as facções Brasileiras .

    Curtir

  4. Ataíde Jorge de Oliveira

    !
    o
    Q
    “”$e
    “ExXxPande”,vejA
    ,NãO é — simplesmente não é — ,vejA: O
    “pçç” — MA$ O _c o n s ó r c i o_ **Polícia*Milícia*Tráfico**
    No Fundo do FUNDO,VEjA : A _m e s m í s s i m a_ ¢oisa,pQp,vejA 😮

    Curtir

  5. Com a certeza da impunidade e com um Judiciário lerdo, lento e leniente…. assim é fácil !
    ———————————————————————
    O PCC já é considerado a maior facção criminal do Mundo ! E vai crescer ainda mais, já que o cidadão comum não pode ter armas em casa, então virou uma presa fácil.

    Curtir

  6. Francisco Lemos

    Pcc e PT tudo a ver

    Curtir

  7. Francisco Lemos

    Pelo nivel de nosso STF, alguem.ainda duvida que pcc ja chegou aos governos?

    Curtir

  8. news da hora

    O advogado representa o mau no Brasil . As grandes bancas também trabalham para o PCC , facções , PT , petralhas e cias .

    Curtir