Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Metroviários fazem acordo e encerram greve

Além do reajuste salarial de 6,17%, foi acertado o valor do vale-refeição em 23 reais por dia e do vale-alimentação em 218 reais por mês

Por Valmar Hupsel Filho e Marina Pinhoni
23 Maio 2012, 16h58

Depois da assembleia realizada nesta quarta-feira na sede do Sindicato dos Metroviários, no Tatuapé, Zona Leste de São Paulo, os trabalhadores da categoria decidiram interromper a paralisação que se prolongava desde a meia-noite. O principal ponto acertado entre os dois lados foi o reajuste salarial de 6,17%, oferecido pelo Metrô. Também foi fixado o valor do vale-refeição em 23 reais por dia (atualmente são 19,88 reais por dia) e do vale-alimentação em 218 reais por mês (atuais 150 reais).

“Não foi o ideal, mas o que foi possível”, disse Altino de Melo Prazeres, presidente do sindicato. “Avançamos até onde poderíamos avançar”.

Segundo Altino, a categoria reivindicava outros itens que não foram aceitos, como jornada de trabalho de 36 horas, adicional de 30% de periculosidade, equiparação salarial – a alegação é que funcionários da mesma categoria muitas vezes têm salários diferentes – e a recontratação de 61 funcionários demitidos na greve de 2007.

Com o fim da greve, o metrô informou que a circulação dos trens será normalizada ainda nesta quarta.

Continua após a publicidade
Votação pelo fim da greve dos condutores de metrô em São Paulo
Votação pelo fim da greve dos condutores de metrô em São Paulo (VEJA)

A paralisação – No metrô, funcionaram integralmente nesta quarta-feira apenas as linhas 5-Lilás e 4-Amarela. As linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha operaram parcialmente. As linhas 11-Coral (Luz-Estudantes) e 12-Safira (Brás-Calmon Viana) da CPTM também não funcionaram, em razão da greve do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil, igualmente decretada nesta terça-feira à noite.

Os servidores da CPTM têm audiência conciliatória no TRT a partir de 17 horas para decidir se voltam ao trabalho. Eles reivindicam aumento de 10,83%. A empresa oferece 6,17% e a Justiça do Trabalho, um valor intermediário, de 7,5%. Segundo Leonildo Bittencourt Canabrava, diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil, outros itens em discussão são um novo plano de cargos e salários e participação nos lucros, além de reajuste no valor do vale-refeição dos atuais 18 reais para 21,50 reais diários. O sindicato representa 1 700 funcionários.

Continua após a publicidade

Segundo ele, os grevistas não participaram da confusão de manhã, próximo à estação Itaquera, na Zona Leste, quando a polícia teve de usar gás de pimenta e balas de borracha para dispersar manifestantes que fecharam a Radial Leste. O sindicalista também afirmou que não havia como cumprir a decisão judicial que determinara um percentual mínimo dos trens por razões de segurança. “Não é possivel funcionar com 70% da frota”, disse. “Quando um trem quebra, em condições normais, já tem confusão, tumulto e até apedrejamentos, imagine durante uma greve”. Segundo ele, o sindicato não foi notificado.

Congestionamento – O trânsito ficou caótico pela manhã devido ao aumento da circulação de carros e ônibus. O rodízio de veículos com placas de final 5 e 6 foi suspenso. Já a SPTrans acionou o Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese), ampliando o número de ônibus entre as estações afetadas. Os pontos, porém, ficaram lotados.

O congestionamento foi aumentando ao longo da manhã. Às 7h50, já havia 150 quilômetros de lentidão nas vias monitoradas pela CET. Às 9 horas, o congestionamento era de 210 quilômetros – 105 quilômetros só na Zona Sul. Menos de meia hora depois, subiu para 221 quilômetros – 108 só na Zona Sul. Os índices bateram, logo cedo, o recorde de congestionamento registrado pela CET este ano no período da manhã, que foi de 168 quilômetros de lentidão em 27 de abril. Às 9h42, o congestionamento chegou a 229 quilômetros, batendo o recorde do ano em qualquer período, que era de 222 quilômetros. Às 10 horas, a lentidão chegou a 249 quilômetros.

Continua após a publicidade

Protesto – Houve tumulto logo cedo em Itaquera, na Zona Leste. Usuários do metrô que não conseguiram embarcar realizaram um protesto, bloqueando a Radial Leste. A tropa de choque da Polícia Militar foi acionada. Segundo informações da CBN, uma pessoa foi detida por desacato nas proximidades da estação Itaquera. Os manifestantes chegaram a parar um ônibus e fizeram com que os passageiros descessem.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.