Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Metroviários fazem acordo e encerram greve

Além do reajuste salarial de 6,17%, foi acertado o valor do vale-refeição em 23 reais por dia e do vale-alimentação em 218 reais por mês

Por Valmar Hupsel Filho e Marina Pinhoni - 23 maio 2012, 16h58

Depois da assembleia realizada nesta quarta-feira na sede do Sindicato dos Metroviários, no Tatuapé, Zona Leste de São Paulo, os trabalhadores da categoria decidiram interromper a paralisação que se prolongava desde a meia-noite. O principal ponto acertado entre os dois lados foi o reajuste salarial de 6,17%, oferecido pelo Metrô. Também foi fixado o valor do vale-refeição em 23 reais por dia (atualmente são 19,88 reais por dia) e do vale-alimentação em 218 reais por mês (atuais 150 reais).

“Não foi o ideal, mas o que foi possível”, disse Altino de Melo Prazeres, presidente do sindicato. “Avançamos até onde poderíamos avançar”.

Segundo Altino, a categoria reivindicava outros itens que não foram aceitos, como jornada de trabalho de 36 horas, adicional de 30% de periculosidade, equiparação salarial – a alegação é que funcionários da mesma categoria muitas vezes têm salários diferentes – e a recontratação de 61 funcionários demitidos na greve de 2007.

Com o fim da greve, o metrô informou que a circulação dos trens será normalizada ainda nesta quarta.

Publicidade
Votação pelo fim da greve dos condutores de metrô em São Paulo
Votação pelo fim da greve dos condutores de metrô em São Paulo VEJA

A paralisação – No metrô, funcionaram integralmente nesta quarta-feira apenas as linhas 5-Lilás e 4-Amarela. As linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha operaram parcialmente. As linhas 11-Coral (Luz-Estudantes) e 12-Safira (Brás-Calmon Viana) da CPTM também não funcionaram, em razão da greve do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil, igualmente decretada nesta terça-feira à noite.

Os servidores da CPTM têm audiência conciliatória no TRT a partir de 17 horas para decidir se voltam ao trabalho. Eles reivindicam aumento de 10,83%. A empresa oferece 6,17% e a Justiça do Trabalho, um valor intermediário, de 7,5%. Segundo Leonildo Bittencourt Canabrava, diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil, outros itens em discussão são um novo plano de cargos e salários e participação nos lucros, além de reajuste no valor do vale-refeição dos atuais 18 reais para 21,50 reais diários. O sindicato representa 1 700 funcionários.

Segundo ele, os grevistas não participaram da confusão de manhã, próximo à estação Itaquera, na Zona Leste, quando a polícia teve de usar gás de pimenta e balas de borracha para dispersar manifestantes que fecharam a Radial Leste. O sindicalista também afirmou que não havia como cumprir a decisão judicial que determinara um percentual mínimo dos trens por razões de segurança. “Não é possivel funcionar com 70% da frota”, disse. “Quando um trem quebra, em condições normais, já tem confusão, tumulto e até apedrejamentos, imagine durante uma greve”. Segundo ele, o sindicato não foi notificado.

Congestionamento – O trânsito ficou caótico pela manhã devido ao aumento da circulação de carros e ônibus. O rodízio de veículos com placas de final 5 e 6 foi suspenso. Já a SPTrans acionou o Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese), ampliando o número de ônibus entre as estações afetadas. Os pontos, porém, ficaram lotados.

Publicidade

O congestionamento foi aumentando ao longo da manhã. Às 7h50, já havia 150 quilômetros de lentidão nas vias monitoradas pela CET. Às 9 horas, o congestionamento era de 210 quilômetros – 105 quilômetros só na Zona Sul. Menos de meia hora depois, subiu para 221 quilômetros – 108 só na Zona Sul. Os índices bateram, logo cedo, o recorde de congestionamento registrado pela CET este ano no período da manhã, que foi de 168 quilômetros de lentidão em 27 de abril. Às 9h42, o congestionamento chegou a 229 quilômetros, batendo o recorde do ano em qualquer período, que era de 222 quilômetros. Às 10 horas, a lentidão chegou a 249 quilômetros.

Protesto – Houve tumulto logo cedo em Itaquera, na Zona Leste. Usuários do metrô que não conseguiram embarcar realizaram um protesto, bloqueando a Radial Leste. A tropa de choque da Polícia Militar foi acionada. Segundo informações da CBN, uma pessoa foi detida por desacato nas proximidades da estação Itaquera. Os manifestantes chegaram a parar um ônibus e fizeram com que os passageiros descessem.

Publicidade