Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Interpol aciona Paraguai para achar mulher de Abdelmassih

Paradeiro de Larissa é incerto. Departamento Geral de Imigração paraguaio crê que Larissa Sacco já tenha saído do país

Por Jean-Philip Struck, de Assunção, com imagens de Ivan Pacheco
21 ago 2014, 15h34

A Polícia Nacional do Paraguai, o equivalente à Polícia Federal no país, informou nesta quinta-feira que recebeu por meio da Interpol um alerta de busca e localização de Larissa Sacco, mulher do ex-médico Roger Abdelmassih. O pedido foi repassado para a polícia internacional pelas autoridades brasileiras e, segundo Paraguai, não inclui uma ordem de captura. Já as autoridades paraguaias acionaram a Interpol em busca de informações sobre Abdelmassih, para uma investigação contra ele por falsificação de identidade.

Leia também:

A vida secreta de Roger Abdelmassih no Paraguai

‘Não saía de casa sem peruca e óculos’, diz ex-médico

Em vídeo, o momento do desembarque em São Paulo

Continua após a publicidade

No momento, o paradeiro de Larissa é incerto. Jorge Kronawetter, diretor do Departamento Geral de Imigração, afirma que, aparentemente, a mulher se dirigiu para a fronteira e provavelmente já deixou o país. O órgão investiga a situação legal de Larissa e descobriu que oficialmente ela não havia entrado no país ou fixado residência usando seu nome verdadeiro. A suspeita é que, tal como Abdelmassih, ela tenha falsificado uma identidade e permanecido ilegalmente no Paraguai nos últimos três anos e meio. “Já sabemos que ela não entrou nem se fixou com seu nome verdadeiro”, disse Kronawetter.

Documentos do caso Roger Abdelmassih
Documentos do caso Roger Abdelmassih (VEJA)

Na quarta-feira, a polícia revelou que o ex-médico vinha usando um documento de identidade nacional paraguaia falsificado, com o nome de Ricardo Galeano, e com data de nascimento 06/02/1949. Segundo Kronawetter, o Departamento de Imigração já pediu uma investigação sobre o caso de Larissa. Se ainda estiver no país, ela também poderá ser expulsa do Paraguai. Ainda segundo Kronawetter, por causa da já confirmada situação ilegal de Abdelmassih e a suspeita sobre Larissa, o casal pode ser processado pelo Ministério Público por lavagem de dinheiro, já que adquiriu bens no Paraguai sem documentos válidos. Abdelmassih já enfrenta uma acusação semelhante no Brasil.

Continua após a publicidade

Já a Polícia Nacional afirma que vai abrir uma investigação para apurar as circunstâncias da falsificação da identidade de Roger Abdelmassih. Segundo a comissária Elisa Ledesma, o documento foi feito com material original e chegou a ser colocado em uma base de dados nacional, o que parece indicar que o ex-médico contou a assistência de algum funcionário público. Ainda assim, a identidade apresentava vários problemas. Um deles era a foto, totalmente fora dos padrões paraguaios, mostrando os ombros do retratado, algo irregular nesse tipo de documento. Além disso, os números estavam fora do padrão, e a marca d’água, fora de posição. “Assim que vimos o documento, isso virou um problema de polícia”, disse Ledesma.

Imobiliária – Segundo o dono da imobiliária Saturno, Miguel Portillo, que alugou a casa de luxo em Assunção para o casal Abdelmassih, Larissa deixou o imóvel junto com os filhos ainda na terça-feira, horas depois da prisão do marido. De acordo com ele, a mulher afirmou que ainda pretendia voltar para buscar objetos e pagar os cinco meses de aluguel em atraso. “Ela parecia abatida, mas disse que ia voltar e pediu desculpas por tudo”, afirmou. O valor mensal pago pelo ex-médico e sua família era de 5.000 dólares por mês. A casa tem 600 m², piscina, sauna, churrasqueira e jacuzzi.

A imobiliária já retomou o imóvel, mas afirma que pretende aguardar a volta de Larissa até o final do mês para fazer a retirada dos objetos pessoais do casal. O contrato de locação foi assinado em fevereiro de 2011, pouco mais de um mês após a fuga do ex-médico do Brasil. Segundo Portillo, Abdelmassih se apresentava como Ricardo e costumava pagar os aluguéis de maneira irregular, dando como desculpa que precisava aguardar a chegada do dinheiro do Brasil. “Ele me parecia uma pessoa excelente. Nunca deu mostras de que era médico. Só me interessava que ele me pagasse”, disse Portillo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.