Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Em prisão domiciliar, Cachoeira festeja aniversário da caçula

Andressa Mendonça, mulher do bicheiro Carlinhos Cachoeira, postou foto da família em rede social

Por Renato Onofre
22 dez 2016, 15h36

Mesmo em prisão domiciliar, o empresário Carlinhos Cachoeira comemorou o aniversário de seis meses da caçula Clara. A mulher do contraventor, Andressa Mendonça, postou nas redes sociais uma foto da família na festa, que teve tema natalino. A comemoração, contudo, foi sem convidados. Cachoeira está impedido de receber visitas sem a autorização prévia da Justiça.

Carlinho Cachoeira com a mulher, Andressa Mendonça, e os filhos
Carlinhos Cachoeira com a mulher, Andressa Mendonça, e os filhos (Reprodução/Facebook)

Apesar da comemoração, a festa não estava como a família queria. Cachoeira pediu para comemorar o aniversário da caçula e as festa de final do ano na sua fazenda em Montes Claros, mas o juiz Marcelo Bretas não deixou. Bretas conduz as ações da Operação Saqueador, que investiga o pagamento de propina da Delta ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral. No despacho, o magistrado disse que o pedido do bicheiro “beira o absurdo”. E concluiu:

“O pedido certamente não apresenta nenhuma urgência ou excepcionalidade que justifique a sua concessão por este juízo, pelo contrário, trata-se de pedido esdrúxulo, que chega a fazer este Juízo questionar a seriedade com que o requerente vem enfrentando a medida decretada”.

Cachoeira chegou a ser preso em junho acusado de envolvimento em um esquema de lavagem de R$ 370 milhões desviados dos cofres públicos. Os procuradores do Ministério Público descobriram que, entre 2007 e 2012, a Delta faturou quase R$ 11 bilhões, só com verbas públicas, o que representa 96,3% de tudo que ganhou nesse período. Desse total, o MPF conseguiu comprovar que pelo menos R$ 370 milhões foram desviados.

Continua após a publicidade

Segundo a denúncia, o esquema da organização criminosa funcionou com a Delta repassando os valores para 18 empresas de fachada, fazendo contratos fictícios. Depois, tudo era sacado em dinheiro vivo para fazer pagamentos de propina a agentes públicos, inclusive políticos.

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.