Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Bimotor que caiu no PR era de sócio de construtora

Por Da Redação
13 set 2011, 15h42

Por Evandro Fadel

Curitiba – Três pessoas morreram na queda de um bimotor na manhã de hoje, em Ângulo, a cerca de 440 quilômetros de Curitiba, no norte do Paraná. A aeronave pertence a Antônio Sanches, um dos sócios da Construtora Sanches Tripoloni. Ela tinha levantado voo do aeroporto Silvio Name Junior, em Maringá, às 8h24, mas caiu a cerca de 35 quilômetros, em um local de pastagem. O último contato com a torre de controle do Aeroporto Governador José Richa, em Londrina, foi feito às 8h50.

De acordo com o tenente Nivaldo do Rego, do Corpo de Bombeiros de Maringá, a parte central do bimotor modelo Beechcraft Baron G-58, prefixo PP-KST, onde ficam o piloto e os passageiros, não teve muitas avarias. “O cockpit está inteiro”, disse. Uma equipe de bombeiros permanecia no local durante a tarde aguardando os peritos e para prevenir algum incêndio com a aeronave, que estava com o tanque de combustível cheio.

A Construtora Sanches Tripoloni emitiu uma nota, informando que estavam a bordo o piloto Juliano Vargas Vital e os passageiros Nelson Busato dos Santos Junior e Paulo Ferracini, genro de um dos sócios da companhia. Eles se dirigiam a uma fazenda em Mato Grosso. De acordo com a nota, “o piloto era experiente e já somava mais de duas mil horas de voo”. O bimotor foi adquirido este ano pelo atual proprietário e contava com 200 horas de voo.

Continua após a publicidade

O motivo do acidente será investigado por uma equipe do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), que era aguardada no fim da tarde de hoje. De acordo com o Corpo de Bombeiros de Maringá, algumas pessoas comentaram terem visto um pouco de fumaça nas asas antes de o avião cair.

Recentemente, a Sanches Tripoloni teve o nome vinculado a denúncias de que o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, teria utilizado um King Air prefixo PR-AJT, pertencente a outro sócio da construtora, para viagens durante a campanha eleitoral do ano passado.

A empresa tem contrato com o governo federal para realizar obras em um contorno rodoviário de Maringá. Alegando falta de provas de irregularidade, a Comissão de Ética da Presidência da República arquivou ontem uma investigação que tinha sido aberta.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.