Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Governador do Amazonas pediu para receber Copa América, mas ficou de fora

Wilson Lima demonstrou publicamente interesse em sediar a competição, mas "chegou um pouco atrasado", segundo Bolsonaro

Por Gustavo Maia Atualizado em 1 jun 2021, 20h07 - Publicado em 2 jun 2021, 07h00

Quando anunciou as quatro sedes da Copa América no Brasil na tarde desta terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro deixou escapar que um quinto governador “chegou um pouco atrasado, vamos assim dizer”, e acabou ficando de fora da competição. Ele não revelou o nome, mas falava de Wilson Lima, do Amazonas.

O governador já havia manifestado publicamente, inclusive, o desejo de que o estado recebesse jogos do torneio, mas foi superado por Ibaneis Rocha (Distrito Federal), Cláudio Castro (Rio de Janeiro), Mauro Mendes (Mato Grosso) e Ronaldo Caiado (Goiás), todos alinhados a Bolsonaro.

À CNN Brasil, Lima disse na segunda-feira que tinha “todo interesse” em sediar a Copa América e que não via problemas na realização da competição no Brasil mesmo em face do risco de uma terceira onda da Covid-19 ao país. “O Amazonas está numa condição de estabilidade e, se seguirmos todos os protocolos, não vejo problema”, declarou.

A capital do estado, Manaus, foi a principal atingida pela segunda onda da doença, no começo do ano, ao ponto de faltar oxigênio para pacientes internados nos hospitais da cidade.

Lima, aliás, terá a denúncia contra ele por corrupção no enfrentamento à pandemia julgada pelo STJ na manhã desta quarta. O clima entre ministros da Corte ouvidos pelo Radar é bem pesado para o governador.

Continua após a publicidade
Publicidade