Clique e assine com 88% de desconto
Bahia Por VEJA Correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens baianos.

Vestido de mulher, suspeito é preso após reconhecimento facial no Carnaval

Utilizado pela primeira vez no carnaval soteropolitano, equipamentos identificaram 460 mil pessoas por dia

Por Rodrigo Daniel Silva - 6 mar 2019, 16h54

Mesmo com a fantasia do bloco “As Muquiranas”, formado apenas por homens que se vestem de mulher, um jovem de 19 anos procurado por homicídio foi preso, nesta terça-feira, 5, pela polícia após ser flagrado pelas câmeras de reconhecimento facial no circuito Dodô (Barra-Ondina), em Salvador.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Marcos Vinicius de Jesus Neri, quando passava por portais de abordagens do circuito, foi reconhecido pelo sistema. Procurado pela polícia, o jovem, de Lauro de Freitas (na Região Metropolitana de Salvador), tinha mandado de prisão por homicídio qualificado em aberto desde julho de 2018. A SSP-BA não informou quando e como o crime foi cometido.

Este ano foi a primeira vez que o reconhecimento facial foi usado na folia soteropolitana. Espalhados pelos três circuitos Dodô, Osmar (Campo Grande) e Batatinha (Pelourinho), os equipamentos identificaram 460 mil pessoas por dia, mas só uma foi reconhecida com mandado de prisão em aberto.

O reconhecimento facial usou um banco de dados de procurados pela polícia. “Priorizamos, no caso dos criminosos, os mais perigosos”, disse o secretário da SSP-BA, Maurício Barbosa. “Se enganaram aqueles que acharam que, por ser último dia de festa, a secretaria iria baixar a guarda”, acrescentou.

Publicidade