Blogs e Colunistas

Dilma Rousseff

19/12/2014

às 17:00 \ Política & Cia

Governo dá calote de 5 bilhões de reais em obras de infraestrutura

(Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

Pagamentos atrasados: só para construtoras do Minha Casa, Minha Vida, 1,5 bilhão de reais de débito (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

Equipe da presidente Dilma teria prometido pagar as dívidas em troca do apoio de construtoras à manobra fiscal que modifica meta do superávit primário

De VEJA.com

O governo atrasou o pagamento de pelo menos 5 bilhões de reais em obras de infraestrutura, de acordo com informações publicadas nesta sexta-feira pelo jornal Folha de S. Paulo.

Empresários do setor estimam débitos de cerca de 2 bilhões de reais em projetos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), 1,5 bilhão de reais em pagamentos atrasados para construtoras do programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) e mais 1 bilhão de reais em ferrovias, transposição do rio São Francisco e obras do Ministério das Cidades.

Empresários afirmam que a equipe da presidente Dilma Rousseff (PT) havia prometido quitar as dívidas contanto que as construtoras apoiassem a manobra fiscal que autoriza o descumprimento da meta do superávit primário deste ano. Mas apesar da alteração na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2014, o governo não cumpriu sua parte no acordo. “O combinado não foi cumprido”, disse o presidente da Associação Nacional das Empresas de Obras Rodoviárias (Aneor), José Alberto Pereira Ribeiro.

O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC), José Carlos Martins, reuniu-se na quinta-feira com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Preocupados com um possível calote, eles lembraram que estão ocorrendo greves em canteiros de obras e que empresas estão reduzindo o nível de serviço para evitar uma paralisação.

Algumas companhias temem não ter dinheiro para pagar o 13º salário de seus funcionários ou para reparar estragos típicos em estradas nesta época do ano.

O governo negou acordo com as construtoras, mas disse que analisará e solucionará as pendências na medida do possível. De acordo com empresários do setor, as dívidas acumularam por causa de uma tentativa do ministro Guido Mantega de encerrar seu mandato com superávit primário. Mesmo assim, o fechamento das contas este ano ainda dependerá da parcela dos débitos que será liquidada.

19/12/2014

às 14:00 \ Política & Cia

Governo Dilma II e o otimismo baseado no governo Lula I

Dilma: para 'Forbes', o mercado não quer a presidente (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

Segundo mandato de Dilma: equipe econômica liderada por Joaquim Levy gerou otimismo exagerado (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

DILMA E AS CIRCUNSTÂNCIAS DO GOVERNO QUE HERDOU

Artigo de Paulo Moura*

A presidente Dilma esforça-se para transparecer que o momento é de normalidade e que reina a calmaria na cena política. O anúncio da equipe econômica foi o lance principal desse esforço para impor uma agenda positiva ao noticiário dominado pelo escândalo da Petrobras e pelos números cada vez piores da economia.

O “mercado”, dizem, reagiu bem aos três nomes. Sempre acho estranha essa propensão ao otimismo e ao desejo de acreditar no governo que essa entidade abstrata que chamam de “mercado” revela pela boca de certos comentaristas. Qualquer analista com conhecimentos parcos da teoria econômica poderia prever, com base nos livros e na experiência, que as aventuras de Dilma e Mantega na condução da economia só poderia dar no que deu.

As estripulias começaram quando Mantega assumiu o ministério da Fazenda esforçando-se para destruir o trabalho de Henrique Meireles no BC, para conter a inflação. Isso, no entanto, não impediu a conceituada revista The Economist de insuspeitas inclinações liberais, de publicar aquela capa com o Cristo Redentor disparando aos céus como um foguete a representar a suposta consistência dos rumos do Brasil sob comando petista.

Não bastaram a teoria e as experiências pregressas com as concepções econômicas de Dilma e Mantega para The Economist projetar o cenário que hora se apresenta. Foi preciso o fracasso se apresentar como evidência e prova para que The Economist publicasse outra capa com nosso Cristo voando como galinha rumo ao fundo da baía da Guanabara.

E o erro se repete com a anúncio da “nova” equipe econômica. A toada dos comentaristas chapa branca reconhece os tempos difíceis, afinal, não dá para negar o óbvio, mas revela otimismo e confiança de que Dilma teria se rendido e jogado os livros nos quais estudou economia no lixo e mudado de posição para o extremo oposto.

O fiador desse otimismo injustificado é Joaquim Levy. Somente ele. Nelson Barbosa reza pela cartilha de Dilma e Mantega em matéria econômica e somente saiu do governo por discordar da criatividade de Arno Augustin no trato da contabilidade governamental.

O aumento dos juros logo após a eleição foi percebido pelo “mercado” como sinal de independência do BC. É o contrário. O aumento dos juros se fazia necessário muito antes da eleição e só não aconteceu porque Tombini obedeceu as ordens de João Santana. Tombini somente foi guindado à presidência do BC por ser submisso a Dilma.

As tintas com que mandaram pintar a fachada da “nova” política econômica, de fato, respondem à necessidade incontornável de corrigirem-se as trapalhadas de Dilma e Mantega nos dois últimos mandatos presidenciais. Levy é um cavaleiro solitário lutando contra o exército de ministros da Dilma, todos sedentos por gastar, gastar e gastar.

Os otimistas baseiam seu otimismo na comparação entre o governo Dilma II com o governo Lula I. Ocorre que os ajustes ortodoxos patrocinados por Palocci no governo Lula I foram implementados tendo como base uma economia com os fundamentos organizados legados por FHC ao seu ingrato sucessor.

A situação atual é muito diferente. Não há mais dinheiro sobrando no mundo com disposição para correr riscos em apostas em quem pensa e governa como Dilma e o PT. Há quem confunda inflação com o índice que o IBGE divulga de tempos em tempos. O índice é apenas o índice. Inflação é um fenômeno econômico decorrente do descontrole do gasto público e não do aumento ocasional do preço do chuchu, do tomate, da carne ou dos ovos.

Enquanto os fundamentos da economia não forem reorganizados, não bastará ao BC aumentar ainda mais, e sem convicção, os juros, para conter a inflação. A bagunça é tamanha que torna difícil entender-se a pressa com que o “mercado” sorriu para Dilma olhando para Joaquim Levy.

As análises mais sérias que se podem encontrar nas páginas dos jornais projetam um cenário de prolongada estagnação (ou recessão) com inflação cercando o teto da meta nos próximos dois anos, somente caminhando para um crescimento de 2% do PIB em 2018, ano em que Lula decidiu voltar à Presidência da República. Isso, é claro, se Dilma deixar Joaquim Levy fazer tudo o que precisa ser feito para consertar seus estragos.

Faltou combinar com os árabes, que decidiram derrubar os preços do petróleo para um patamar próximo dos U$ 50,00 o barril, por cerca de quatro ou cinco anos, para tornar desinteressante aos americanos o investimento nos novos métodos de produção do ouro negro e do gás de xisto.

Essa decisão levará a Venezuela ao colapso nos próximos dias e forçou Cuba a abrir as pernas para Obama, pois os Castro sabem que da Venezuela e do Brasil não receberão mais almoço “grátis” às nossas custas. Só o capitalismo, de mercado ou de estado, salvará Cuba de um destino venezuelano. E isso tem fortes impactos políticos sobre o projeto bolivariano hegemonista que o Foro de São Paulo projetava para o continente. Dilma terá que se virar sozinha para sair dessa enrascada.

Tudo indica que recém começa-se a perceber o tamanho do estrago que a quebra da Petrobras causará à economia brasileira. Os custos econômicos dessa aventura patrocinada pelos corsários do lulopetismo ainda não são claros e crescem assustadoramente a cada dia que passa. Lula e Dilma gastaram os créditos futuros do pré-sal. A Petrobras não tem dinheiro nem crédito para financiar a exploração no mar profundo. Explorar esse petróleo se tornou desinteressante com o barril a U$ 50,00.

Isso que as investigações nas demais obras públicas de todo o país e de vários ministérios, da lista de 750 encontradas na planilha de Alberto Youssef, sequer começaram. Dadas as circunstâncias, não convém, também, menosprezar a declaração do Procurador Federal Hélio Telho Corrêia Filho ao afirmar que o escândalo do BNDES poderá ser sete vezes maior do que o do petrolão.

Terá Dilma a humildade, a competência e a coragem para desfazer a enorme trapalhada de Lula quando resolveu mudar o sistema de exploração do petróleo do modelo de concessões criado por FHC, pelo modelo de partilha? Será possível recuperar a Petrobras sem privatizá-la? E se a privatização for inevitável, Dilma venderia o que sobrou da “nossa” queridinha? E a Eletrobras? E o BNDES? Duvido!

*Paulo Moura, professor universitário, é cientista social, consultor de comunicação e marketing político em campanhas eleitorais e analista político e de pesquisas de opinião e de mercado.

(PARA CONTINUAR LENDO, CLIQUEM AQUI)

19/12/2014

às 6:00 \ Disseram

Nem achar nem desachar

“Eu não acho nem desacho. É um problema da presidenta Dilma, não é meu.”

Lula, ex-presidento, questionado pelo jornal Folha de S. Paulo sobre o futuro de Graça Foster na presidência da Petrobras

18/12/2014

às 20:30 \ Política & Cia

Retrospectiva TVEJA: os fatos que marcaram a política nacional em 2014

Colunistas de VEJA debatem os fatos que marcaram a política brasileira neste ano. Marco Antonio Villa, Reinaldo Azevedo e Augusto Nunes analisam a reeleição da presidente Dilma Rousseff, a disputa eleitoral mais acirrada desde a redemocratização do país, a morte de Eduardo Campos e até o vexame protagonizado pela seleção brasileira na Copa do Mundo. Estes e outros temas estão na pauta do ‘Aqui Entre Nós’ comandando por Joice Hasselmann.

18/12/2014

às 15:30 \ Política & Cia

Lula bate recordes de cinismo e descaramento ao se declarar campeão de combate à corrupção diante de uma plateia de mensaleiros condenados pela Justiça e de ministros demitidos por corrupção

Lula com Dilma no evento em que se declarou campeão em tudo, até no combate à corrupção: cara de pau e cinismo (Foto: Folhapress)

Post publicado originalmente a 21 de fevereiro de 2013

Campeões-de-audiênciaO descaramento do lulopetismo e de seu sumo sacerdote não tem limites.

Vejam vocês, esse tal evento de ontem comemorando 10 anos de governo do PT num hotel de São Paulo.

Como escreveu muito corretamente o repórter Jean-Philip Struck, do site de VEJA, tratava-se de “um evento com a presença de mensaleiros condenados pela Justiça e ex-ministros defenestrados por envolvimento em escândalos de corrupção” — e Lula, com a cara de pau costumeira, voltou a riscar do mapa tudo o que seus antecessores fizeram, atacou a oposição e lançou Dilma (oh, surpresa!) como candidata à reeleição.

Mas cara de pau brilhava mesmo, lustrosa, neste trecho relatado pelo repórter. Vejam só o descaramento do “deus” de Marta Suplicy e do lulalato:

“Nós não temos medo da comparação, inclusive no debate da corrupção”, disse Lula, sem citar o maior escândalo de desvios de recursos públicos ocorridos no país, o MENSALÃO, ocorrido justamente durante o seu governo. Na plateia, mensaleiros condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), como seu ex-ministro e “ex-capitão do time”, José Dirceu, e os deputados José Genoino (SP) e João Paulo Cunha (SP) aplaudiram. Lula também não citou a recente operação da Polícia Federal, batizada de Porto Seguro, que flagrou sua mulher de confiança, a ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo, Rosemary Noronha, como integrante de uma quadrilha especializada em fraudes de pareceres técnicos em órgãos federais.

Justamente ontem, completavam-se 89 dias de absoluto silêncio de Lula — que, como sabemos, fala pelos cotovelos, e sobre tudo — a respeito do escândalo protagonizado por sua protegida Rosemary, a “Rose”. Como indica, implacável, o blog de Augusto Nunes, hoje estamos, pois, no 90º dia de silêncio absoluto do grande campeão anticorrupção que Lula tem o cinismo de se considerar.

Até o José Dirceu estava lá — e aplaudindo, feliz, enquanto aguarda os trâmites finais do Supremo antes de passar longa temporada na cadeia!

O ato de celebração do PT foi um acinte aos brasileiros de bem, esta é que é a verdade. Gente que irá em breve para penitenciárias cumprir pena não apenas se aboletava na plateia como ostentava o mandato de deputado federal. Até onde a pouca-vergonha nacional vai chegar?

18/12/2014

às 6:00 \ Disseram

O Brasil e os Ministérios

“Você não sabe como é difícil no Brasil.”

Dilma Rousseff, dirigindo-se à presidente argentina Cristina Kirchner, ao explicar que ainda não vai anunciar seus novos ministros por causa da dificuldade em formar um gabinete

17/12/2014

às 12:00 \ Disseram

Dilma e as Forças Armadas

“Ao concluir meu primeiro mandato, estamos mais seguros no mar, em terra e no mar.”

Dilma Rousseff, ao afirmar que seu governo valorizou e modernizou as Forças Armadas

16/12/2014

às 18:45 \ Política & Cia

MENSALÃO: De dentro da cadeia, Dirceu reclama de Lula

José Dirceu quando votava nas eleições de 2012, em São Paulo, num ângulo em que parece estar preso (Foto: O Globo)

José Dirceu quando votava nas eleições de 2012, em São Paulo, num ângulo em que parece estar preso (Foto: O Globo)

Post publicado originalmente a 25 de novembro de 2013

De VEJA.com

DIRCEU DITA AS REGRAS E COBRA LULA DE DENTRO DA CADEIA

Ex-ministro queixa-se sobre a forma como Lula administrou o escândalo do mensalão. E acredita que o episódio pode interferir na campanha de reeleição de Dilma

Campeões-de-audiênciaPreso em uma cela de 6 metros quadrados, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu criticou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela forma como ele administrou até agora o escândalo do mensalão. A insatisfação com Lula foi manifestada por Dirceu a pelo menos três amigos que o visitaram, nos últimos dias, no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, onde ele está preso desde o dia 16 de novembro.

Irritado com a falta de posicionamento do Planalto, Dirceu perguntou: — E o Lula não vai falar nada? Mesmo de dentro da prisão, Dirceu pressionava o ex-presidente a fazer um pronunciamento. Três dias depois do recado dado, Lula fez o mais veemente discurso desde que os petistas foram condenados. Sugeriu, na quinta-feira passada, que o rigor da lei só vale para o PT e dirigiu ataques ao presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa.

Irritação

Dirceu está contrariado com a falta de posicionando do ex-presidente. E a irritação não vem de hoje. Na visão do ex-ministro-chefe da Casa Civil, a falta de uma posição clara de Lula em defesa dos mensaleiros pode abalar a imagem do PT e interferir na campanha da presidente Dilma Rousseff à reeleição.

Interlocutores de Dirceu afirmam que ele sempre reprovou a forma “conciliatória” como Lula conduziu o caso desde que o escândalo estourou, em junho de 2005. Em conversas mantidas dentro da cela, no presídio da Papuda, Dirceu tem dito que Lula errou ao não fazer o “enfrentamento” necessário para não deixar a denúncia de corrupção virar um fantasma que abala o PT e o governo.

Para José Genoino, os condenados no mensalão não têm escapatória, mesmo se conseguirem reduzir suas penas, pois perderam a batalha da comunicação. — Estamos marcados como gado — resumiu Genoino a um amigo.

Na avaliação de Dirceu, Lula deixou a CPI dos Correios [que investigou o mensalão] prosperar, em 2005, quando ainda teria condições de barrá-la. Por esse raciocínio, ao não politizar a denúncia da compra de votos no Congresso, Lula abriu caminho para a “criminalização” do PT.

O partido até hoje insiste que nunca corrompeu deputados em troca de apoio e só admite a prática do caixa dois.

Influência

Arquiteto da campanha que levou o PT ao Palácio do Planalto em 2003, Dirceu revelou que Lula chegou a consultá-lo sobre a nomeação de Luiz Fux para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal. “Se você está dizendo que sim, quem sou eu para dizer que não?”, disse Dirceu, segundo relato de amigos, antes de ser procurado por Fux, que pediu sua ajuda para conquistar o cargo.

Fux acabou nomeado em 2011 por Dilma. Petistas juram que ele prometeu “matar no peito” a acusação, em sinal claro de que absolveria os réus petistas. Quando Fux deu o voto pela condenação dos mensaleiros, o espanto no governo e no PT foi generalizado.

“Desmontar a farsa do mensalão”

Num café da manhã com Dirceu, em novembro de 2010, Lula prometeu que, quando estivesse fora do Planalto, desmontaria a “farsa do mensalão”.

A promessa não foi cumprida sob a alegação de que era preciso blindar o primeiro ano do governo Dilma. Depois vieram as disputas municipais de 2012 e agora o ano é pré-eleitoral. E a insatisfação de Dirceu com Lula continua.

16/12/2014

às 17:00 \ Política & Cia

A contragosto, Dilma já sonda nomes para substituir Graça Foster

(Foto: Reuters)

A presidente Dilma Rousseff fez o possível para blindar a amiga Graça Foster, mas informações reveladas recentemente não devem permitir que ela se mantenha na presidência da Petrobras (Foto: Reuters)

Presidente resiste à ideia, mas novas revelações de ex-gerente e provável rebaixamento da nota da estatal deixam demissão cada vez mais perto

De VEJA.com

Embora a presidente Dilma Rousseff resista à ideia, Graça Foster está cada vez mais perto de deixar o comando da Petrobras. Reportagem desta terça-feira do jornal Folha de S. Paulo informa que já começaram as sondagens do Planalto por nomes para assumir a presidência da estatal.

Ainda que informais, as consultas já apontam para o nome de Murilo Ferreira, presidente da Vale. A substituição, segundo o jornal, seria anunciada como parte do pacote de reformas ministeriais – ao lado de trocas nos comandos de bancos públicos e da Itaipu Binacional.

Amiga de Graça, Dilma tem poupado o quanto pode a presidente da Petrobras. Na semana passada, o governo fez uma força-tarefa para blindar Graça Foster. Após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ter feito um pedido público pela demissão da cúpula da Petrobras, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, se apressou para sair em defesa da atual diretoria da estatal e disse que nem a presidente da companhia nem os atuais diretores da empresa deixarão seus cargos.

Três dias depois, contudo, o jornal Valor Econômico revelou que Graça foi alertada sobre os desvios na estatal por Venina Velosa da Fonseca, ex-gerente da diretoria de Abastecimento comandada por Paulo Roberto Costa.

Em nota enviada nesta terça-feira, a Petrobras afirma que Graça apenas foi avisada dos desmandos na estatal em novembro deste ano. E que os avisos anteriores “não explicitaram irregularidades relacionadas à RNEST, à área de Comunicação do Abastecimento e à área de comercialização de combustível de navio (bunker)”.

“Os temas supracitados foram apenas levados ao conhecimento da Presidente através de email recente, de 20/11/2014, quando a empregada já havia sido destituída de sua função gerencial. Nesta data, as irregularidades na Comunicação do Abastecimento e na RNEST já haviam sido objeto de averiguação em Comissões Internas de Apuração, bem como as irregularidades da área de comercialização de combustível de navio (bunker) em Grupos de Trabalho. A Presidente respondeu à empregada Venina Velosa Fonseca, no dia 21/11/2014, informando que estava encaminhando o assunto ao Diretor José Carlos Cosenza e ao Jurídico da Petrobras para averiguação e adoção das medidas cabíveis”, diz o texto da estatal.

Além de temer novas revelações de Venina, Dilma terá dificuldade de manter Graça no cargo diante da iminente perda de grau de investimento da estatal.

Define uma fonte do governo ao jornal O Globo: “O tempo de Graça já acabou e ela própria percebeu isso. A diretoria da Petrobras não tem mais credibilidade com o mercado. A presidente pode estar conseguindo mantê-la apesar dos problemas políticos, mas, com os desdobramentos econômicos que ainda virão, será difícil”.

16/12/2014

às 14:00 \ Política & Cia

TVEJA: ‘Responsabilidade pela derrota em Minas é minha’, admite Aécio

joice e aecio

 

O senador tucano Aécio Neves articula acordo em Minas Gerais de olho em 2016 para não repetir erros de 2014 e sabe que vencer as eleições municipais em casa será o próximo desafio.

Na segunda parte de entrevista a TVEJA, Aécio afirmou que cogitou indicar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para o cargo de ministro das relações exteriores caso vencesse a disputa com Dilma Rousseff. Em uma conversa ‘Direto ao Ponto’, falou a Joice Hasselmann sobre os novos desdobramentos do escândalo do Petrolão, os desafios da oposição e os planos para 2018.

Assistam à continuação da entrevista:

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados