Blogs e Colunistas

domingo, 20 de janeiro de 2013

9:01 \ Brasil

The book is on the table

Mercadante: programa ambicioso

Em março, Dilma Rousseff lança o Inglês Sem Fronteiras, o mais ambicioso programa de ensino da língua inglesa já feito por um governo.

Concebido por Aloizio Mercadante, será centrado num primeiro momento nas universidades federais: todos os alunos receberão uma senha para aprender num sistema de ensino à distância que é o mesmo usado nas universidades públicas da China.

Estudantes de escolas privadas com notas altas no Enem também terão acesso ao curso.

Depois, o programa desce ao ensino médio enviando 550 professores para um curso de capacitação nos EUA .

Por Lauro Jardim

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

77 Comentários

  • Kevin

    -

    22/2/2013 às 15:31

    Sons of a bitches, we want quality education, and recognition of teacher!

  • Roberto

    -

    11/2/2013 às 23:06

    Apesar dos jogos de 2014 somos o último país do mundo a lançar esse programa. Os barbudinhos queriam que fosse o russo sem fronteiras.

  • Débora

    -

    25/1/2013 às 19:29

    Nada contra contra o projeto. Aprender Inglês ou qualquer outro idioma apenas contribui para nossa intelectualidade e visão de mundo. Mas concordo totalmente com os leitores no ponto crucial da questão: E o bom Português? Eu mesma estudei em escola pública e sei como é. E até hoje me assusto quando um excelente professor de Português abre o leque da gramática nacional. É assustador se dar conta que vc realmente não aprendeu NADA.

  • Jorgiléa Gomes Ribeiro

    -

    25/1/2013 às 14:06

    Não entendo o porque desse projeto não beneficiar TODOS os alunos de cursos superiores públicos e privados, além do ensino médio. com toda certeza os alunos das universidades públicas, em sua maioria, são fluentes no inglês. Agora, aquele aluno que trabalha duro para pagar ou caiu em alguma rede de financiamento, não. ACORDA MINISTRO DA EDUCAÇÃO!!!

  • Fernando Figueiredo

    -

    22/1/2013 às 12:16

    Um jeito de mandar 550 amigos e “cumpanheros” passear com nosso dinheiro, alguém ainda acredita que eles fazem alguma coisa a serio neste governo de incompetência total para gestão ou algo aproveitável, mas exemplar em fraudes, corrupção e falcatruas… quem viver verá, prefiro que ela construa mais 7 creches até o final do mandato que a gente ganham mais…

  • Anchieta

    -

    22/1/2013 às 1:16

    Elogiável a medida. Entretanto, segundo pesquisa, 36% dos universitários brasileiros são, praticamente, analfabetos funcionais, pois não sabem interpretar o que leem. Assim, seria mais producente que, primeiro, conhecessem a nossa língua e, depois, ……

  • José Mário Fontes

    -

    22/1/2013 às 0:33

    Que tal ensinar o idioma pátrio e noções básicas de álgebra, conjuntamente com o inglês, à maioria de nossos universitários?

  • Cézar

    -

    21/1/2013 às 23:00

    P/ Barcelona:

    Portugal não é hostil ao Brasil, os brasileiros que são hostis a eles.

  • Fernando Henrique Cardoso

    -

    21/1/2013 às 20:12

    Universidade Publica é só Federal? E as Universidades Estaduais?

  • Luiz Carlos (não o Barretão)

    -

    21/1/2013 às 18:32

    Quando esse desgoverno miserável conseguir melhorar o ensino fundamental o País agradecerá. Esse “doutor” pela Unicamp é o maior enganador “ministro” da educação que já tivemos. Isso tudo é só palanque.

  • Barcelona

    -

    21/1/2013 às 17:40

    Para Robert. Seu nome é Robert ou é Joaquim?

  • Daniel

    -

    21/1/2013 às 15:44

    I’m sorry, but I guess we should have also better Portuguese for Brazilians =o)

  • Lee

    -

    21/1/2013 às 15:27

    Considering that we’re talking about brazil, the book will never be on the table, but under…..always.

  • Amadeo Longhi

    -

    21/1/2013 às 15:27

    É impressionante as medidas,as idéias incríveis que essa petralha adota para ser releita…Para mim ter morado alguns anos na europa, e agora ter que conviver com esse governo medíocre está sendo extremamente complicado. QUE DEUS NOS AJUDE! solução: o PT ser eliminado do planeta!!!

  • Robert

    -

    21/1/2013 às 15:08

    @Barcelona
    O seu conhecimento de história é zero.

  • Carlos

    -

    21/1/2013 às 13:49

    Pela primeira vez vejo algo interessante nesse governo!Pode ainda melhorar colocando desde a alfabetizaçao o ensino do ingles como uma segunda lingua, assim nossas crianças de hoje serao adultos ja falndo fluente o ingles e abrindo muitas portas.

  • Barcelona

    -

    21/1/2013 às 13:36

    Portugues é uma língua emprestada dum país inexpressivo e muito hostil ao Brasil. O ingles é a língua do conhecimento e deveria ser a segunda língua oficial do país.

  • molina

    -

    21/1/2013 às 12:50

    e o português?

  • Marcia

    -

    21/1/2013 às 12:29

    Pelas barbas do profeta!! E não tem ninguém pra botar a boca no trombone por conta dessa barbaridade?? Fala sério!

  • Trovão

    -

    21/1/2013 às 11:50

    Um país de analfabetos a começar pelo presidente capacho, o lulladrão, com a maior quadrilha de ladrões do mundo, (mais de seiscentos ladrões que viraram políticos), um povo que vende o voto, escolas que parecem um chiqueiro, os filhos dos ladrões estudam nas escolas particulares, e vem esses vagabundos dessa quadrilha de ladrões, falar em ensinar inglês? Primeiro deveriam formar professores que saibam ensinar a lingua portuguesa, para que o povo aprenda a não votar nesses ladrões que estão ocupando aquela latrina fétida, conhecida como congresso.

  • Jose de Arimatea e Silva

    -

    21/1/2013 às 10:28

    Se tivéssemos priorizado a educação desse país, a medida não seria necessária, mas veio e, com atraso , os EUA tomaram em 1958 Eisenhower , com a National Defense “matemática, liguagem” e já em 1979inaugurou a nasa, fez a guerra nas estrêlas e acabou como o mundo soviético..nós até aqui , já ameaçamos perder para a África ela , a mam vem ai..te cuida Brasil, antes tarde do que nunca.

  • luiz torres breyner

    -

    21/1/2013 às 10:04

    A necessidade de aprender inglês émuito grande quando se trata de conhecimentos científicos e tecnológicos. No passado os cientistas escreviam em latim, que era a língua dos eruditos , agora o inglês ocupou esse espaço e quem não sabe falar e escrever em inglês encontrará enormes dificuldades na área acadêmica. Isso sem levar em conta que um cérebro de pessoa que fala duas línguas é muito mais evoluído do que um cérebro de uma pessoa que fala uma única língua.

  • luiz torres breyner

    -

    21/1/2013 às 9:59

    Errado de novo. O ensino de inglês deve começar no fundamental, com cinco aulas por semana. A mesma carga horária para estudo de gramática portuguesa, Matemática e Ciências. No nível médio a carga horária deve permanecer de 5 aulas semanais.
    O problema está concentrado também na escolha do professor. A maioria, não sabe inglês, mas com esse salário ninguém que sabe inglês quer cair numa sala de aula. Há que se fazer novos concursos para professores das escolas públicas, permitindo participar da disputa pessoas de áreas diversas. Os que já pertencem a carreira, se reprovados, devem se aposentar proporcionalmente. Uma coisa é líquida e certa, sem salário tudo desaba.

  • Neile

    -

    21/1/2013 às 9:25

    Adorei os comentários .Comecei a semana rindo muito .Obrigada leitores da V EJA .Vocês são ótimos !

  • Robert

    -

    21/1/2013 às 7:34

    [Judson: uma vasta maioria de alunos semi-analfabetos que chegam nas faculdades e universidades sem saber a diferença entre “mas” e “mais”]
    Fato terrivel, facilmente comprovado na Internet.

  • ze do matogrosso

    -

    21/1/2013 às 0:42

    nada aver, mas convém registrar… está em andamento um pacto do judaismo com o nazismo. São lideres e representam as organizações globo e a editora abril. Nada tem de Brasil, todos os blos começaram a ser censurados. Só vale comentáriuos de bunda, piranhas, putarias, carnaval. BBB, fazenda. Estamos sendo alienados. Fica pro lauro, pois não vai ser publicado.

  • Naná

    -

    21/1/2013 às 0:12

    O Brasil é uma piada.

    choro pelas gerações futuras

  • Naná

    -

    21/1/2013 às 0:11

    21/01/2013 | 00:00
    Oração do dia
    “Lula é meu pastor e passaporte diplomático não me faltará”.

    CH

  • MERCADINHO

    -

    20/1/2013 às 23:23

    QUEM VAI AO EXTERIOR TEM QUE SER PT. PT O PARTIDO DOS PUTOS E PUTAS OU PT DE PUTA TREINADA, COMO O CASO DA ROSEMARY DO LULA.

  • Terrae brasilis

    -

    20/1/2013 às 23:07

    Tenho que aplaudir, é disso que o Brasil precisa.

  • Pedro

    -

    20/1/2013 às 22:51

    Isso tem nome, isso se chama malversação de recursos públicos. Vai-se pagar uma montanha de dinheiro para nada. O Mercadante é ALOPRADO.

  • manoel s. xavier

    -

    20/1/2013 às 22:40

    Coisa de petista para roubar mais.
    Por favor, ensinem português para nossas crianças.
    Ensinem matemática.Ensinem nossos valores jogados no lixo em decorrência dos absurdos desses nossos políticos safados.
    Ensinem o respeito e a dignidade às nossas crianças.

  • MERCADINHO

    -

    20/1/2013 às 22:38

    SAMO UMA PUTENCIA E AGORA VAMO PARTI PRO INGRES. DE BUQUI IS ON DE TAIBOL E NOIS NUM TIRA. O LIDER LULA VAI DAR O EZEMPLO FALANDO INGRES ANTES DE FALAR PORTUGUES.

  • Judson Clayton Maciel

    -

    20/1/2013 às 22:32

    Escolas públicas caindo aos pedaços, universidades públicas caindo aos pedaços e com deficit enorme de vagas, professores da rede pública do ensino básico e médio com péssima remuneração, uma vasta maioria de alunos semi-analfabetos que chegam nas faculdades e universidades sem saber a diferença entre “mas” e “mais”, e ainda o governo lança um programa para capacitação da Língua Inglesa? E o nosso português tão terrivelmente ensinado nas nossas escolas tenebrosas? Como fica?

  • Fernando

    -

    20/1/2013 às 22:28

    Oi gente! quanta indignação!
    Se estão sendo criadas oportunidades de aprender inglês, isso é ótimo!!
    Hoje na China existem tantos aprendizes de inglês, que brevemente a China poderá se tornar o maior país de lingua inglesa do mundo!!!
    Para os que estão no lugar certo, essa é a hora!!!

  • Daniel Santos

    -

    20/1/2013 às 22:17

    um pais sem identidade podera confundir mas ainda seu propio analfabetismo.???

  • Andre

    -

    20/1/2013 às 22:10

    Não sei se esta nota foi colocada propositadamente logo após a nota que comenta sobre a dublagem de filmes para o público adulto. Perceberam a incoerência? Se queremos favorecer a formação de cidadãos bilíngues temos que estimular e facilitar o acesso ao idioma estrangeiro. Assistir filmes de língua inglesa é um exemplo, ainda que legendados. Já um filme dublado realmente não ajuda em nada o aprendizado do idioma inglês. Isso sem dizer que a dublagem retira toda a expressão do filme ao retirar a fala original do ator, com sua entonação e interpretação próprias.

  • Claudio Lessa

    -

    20/1/2013 às 20:33

    Ué… Como fica a determinação do nano-ministro Amorim, a.k.a. sabiá de pirata, que resolveu que a língua inglesa não era prioritária no Ministério das Relações Exteriores? Esses petralhas são mesmo confusos…

  • Paulo

    -

    20/1/2013 às 20:32

    Que Nojo! É mais barato trazer os professores americanos aqui. Isso é um desperdício! Os professores vão denegrir a imagem do Brasil lá fora.Eles estão mal formados e envolvidos com a criminalidade. Eles dão aula de inglês mas não sabem falar inglês. E o governo, como de praxe vai levar os apadrinhados. Gente safada! Raça de víboras!

  • sombrero

    -

    20/1/2013 às 20:20

    E quando os brasileiros vão aprender PORTUGUÊS?

  • Jacinto Pena da Consolação

    -

    20/1/2013 às 20:09

    Ótimo! Fiz minha matrícula na faculdade anteontem, e vou fazer bom proveito desse sistema!

  • jandira gomes

    -

    20/1/2013 às 19:50

    Hei, salvo erro ou omissão, não eram estes que no “século passado” mugiam, zulavam, grasnavam contra os Yanquis (não sei se é esta a grafia)e agora querem que nossos jovens aprendam inglês para inglês ver? Ora, ora, ora, esses PeTrálhias fazem de tudo para não perder as boquinhas, heinn?…Português que é bom…

  • Manoel Rodrigues da Silva

    -

    20/1/2013 às 19:49

    Não adianta criticar, deixe primeiramente ser implantado para ver a eficacia do programa, que haja propaganda para quebrar os preconceitos dos que acham que não vai dar em nada.

  • Jotabe

    -

    20/1/2013 às 19:43

    Aprender Inglês sem saber Português? Como fazer com a gramática? Se não a conhece no nosso idioma, como aprender a grmática inglesa? E as outras disciplinas, Matemática, História??? A realidade é que o ensino no Brasil está abaixo da crítica. Reformar a Educação, capacitar e remunerar melhor os professores é o início do processo que levará a um ensino de qualidade.

  • Mario Cesar Ferreira

    -

    20/1/2013 às 19:31

    Remunerar e valorizar os professores, já estaria de bom tamanho,precisamos de uma educação básica de melhor qualidade.Quanto será “desviado”,pois sempre que o governo promete alguma benese para este nosso Brasil, sempre há uma segunda intenção!!!

  • Aposentado

    -

    20/1/2013 às 19:25

    The book is on the table and the money is around the DELTA.

  • Hiolanda

    -

    20/1/2013 às 18:56

    Não adianta saber o Inglês sem saber no minimo o português.deveriam investir mais na educação na Pré-escola, Ensino Fundamental,Médio.

  • aparecida

    -

    20/1/2013 às 18:39

    Antes do inglês, é preciso saber Português, Matemática, História. E capacitar os Professores para estas disciplinas, tão fundamentais e essenciais para todos, antes de investir no ensino do inglês.

  • jose ribeiro

    -

    20/1/2013 às 18:04

    Se este curso for eficiente será válido, porque de IngRes basta o que aprendemos em nossas escolas.

  • Oliveira

    -

    20/1/2013 às 18:02

    Isto é o que podemos chamar de desvio do ensino principal para o periférico.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados