Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Trump anuncia que vai banir TikTok dos Estados Unidos

A três meses da eleição presidencial e em desvantagem nas pesquisas, o republicano acirra os ataques à China e acusa o aplicativo de espionagem

Por Luisa Purchio Atualizado em 1 ago 2020, 10h21 - Publicado em 1 ago 2020, 10h15

Em continuidade à guerra comercial travada contra a China, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na sexta-feira 31 que vai banir do país o aplicativo de vídeos TikTok. Sucesso principalmente entre os jovens entre 16 e 24 anos, a ferramenta que faz vídeos curtos e divertidos para serem postados nas redes sociais é avaliada em 75 bilhões de dólares e alcançou mais de 1,5 bilhões de usuários em 2019. Só nos Estados Unidos, passou por mais de 2,7 milhões de downloads.

O argumento do governo americano é que a rede social ameaça a segurança nacional e que sua política de privacidade permite transferir ao governo chinês dados dos cidadãos americanos. O TikTok, por sua vez, resultado da fusão com o aplicativo Musical.ly Inc. feita em 2017 pela empresa chinesa Bytedance, tenta manter uma imagem de independência em relação ao governo de Xi Jinping. Com escritório em Los Angeles, a empresa nomeou em maio como CEO Kevim Mayer, que foi um principais executivos da Wall Disney.

Críticos ao governo americano classificam, no entanto, essas acusações como infundadas por não apresentarem provas e que esse seria mais um capítulo do discurso de Trump contra a China. Em meio à crise sanitária que coloca os Estados Unidos como o país com maior número de contaminados pela Covid-19, Trump acusa os chineses de serem responsáveis pela disseminação do novo coronavírus no planeta e em julho acirrou os ataques ao país ao fechar o consulado da China em Houston, no Texas, alegando roubo de propriedade intelectual.

Medidas como essa só tendem a aumentar nos próximos meses, com a aproximação das eleições presidenciais americanas, em novembro. Especialistas avaliam que elas refletem o desespero do presidente republicano diante do avanço de seu opositor nas pesquisas eleitorais, o democrata Joe Biden, que soma 52% das intenções de voto. A defesa do protecionismo vai ao encontro do slogan de campanha de Trump em 2016, “Make America Great Again”, que agrada o seu eleitor mais conservador. Coincidência ou não, na mesma semana, na quinta-feira 30, ele sugeriu que as eleições americanas sejam adiadas por suspeita de fraude.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês