Clique e assine com até 92% de desconto

Bill Gates deixa conselho administrativo da Microsoft

Ele atuou como presidente do conselho até o início de 2014 e agora se aposentou por completo

Por AFP 13 mar 2020, 23h56

A Microsoft anunciou nesta sexta-feira que seu fundador Bill Gates deixou o conselho administrativo da empresa para dedicar mais tempo à filantropia. Gates, 64 anos, parou de se envolver nas operações diárias da empresa há mais de uma década e concentrou sua atenção na fundação que criou com sua esposa, Melinda.

Ele atuou como presidente do conselho administrativo da Microsoft até o início de 2014 e agora se aposentou por completo, afirmou uma declaração da empresa de tecnologia de Redmond, com sede em Washington. “Foi uma grande honra e privilégio ter trabalhado e aprendido com Bill ao longo dos anos”, indicou em um comunicado Satya Nadella, diretora executiva da Microsoft.

“Bill fundou nossa empresa com uma crença na força democratizante do software e uma paixão em solucionar os desafios mais prementes da sociedade; e a Microsoft e o mundo são melhores para isso”, acrescentou. Nadella disse que a Microsoft continuará se beneficiando da “paixão e consultoria técnica” de Gates em seu papel como consultor técnico.

“Sou grato pela amizade de Bill e espero continuar trabalhando ao lado dele”, afirmou. Gates deixou seu cargo de CEO em 2000, entregando a empresa a Steve Ballmer para dedicar mais tempo à sua fundação.

  • Ele renunciou ao cargo de presidente ao mesmo tempo em que Nadella se tornou o terceiro CEO da Microsoft, em 2014. Incluído regularmente entre as pessoas mais ricas do mundo, William H. Gates era perito em computação e tecnologia desde muito jovem.

    Aos 13 anos já estava programando. Ele estudou em Harvard, mas abandonou, com a benção de seus pais, para criar a Micro-soft com seu amigo Paul Allen em 1975. À medida que o mercado de computadores pessoais crescia, tornou-se a empresa líder mundial em software.

    Seu monopólio virtual levou a um julgamento altamente divulgado, no qual a empresa conseguiu evitar ser subdividida, mas teve que suportar anos de monitoramento governamental. Ao lado da esposa, ele criou a Fundação Bill e Melinda Gates, dedicada ao combate a doenças e outros desafios humanitários, um trabalho que tem ocupado cada vez mais seu tempo.

    “Gates é uma figura marcante no mundo da tecnologia e seu legado na Microsoft será sentido em Redmond pelas próximas décadas”, disse Daniel Ives, analista da Wedbush, em nota aos investidores.

    Continua após a publicidade
    Publicidade