Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Saber quanto exercício é necessário para queimar calorias de uma refeição melhora a alimentação

Quem se deparara com informações sobre a quantidade de caminhada necessária para gastar as calorias consumidas faz escolhas mais saudáveis

Por Da Redação 21 dez 2012, 20h46

Mais do que saber quantas calorias estão presentes em uma refeição, ser informado sobre a atividade física necessária para queimá-las pode levar um indivíduo a fazer escolhas mais saudáveis na hora de comer. Essa foi a conclusão de um time de pesquisadores que buscou entender de que maneira as informações presentes nos rótulos dos alimentos são eficazes em melhorar a nossa dieta. O estudo feito por eles aparece na edição deste mês do periódico Appetite.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Potential effect of physical activity based menu labels on the calorie content of selected fast food meals

Onde foi divulgada: revista Appetite

Instituição: Universidade da Carolina do Norte, Estados Unidos

Dados de amostragem: 802 mulheres

Resultado: Pessoas que sabem a quantidade de calorias presentes em um alimento, e qual a distância que ela terá de caminhar para gastá-las, fazem escolhas mais saudáveis na hora de comer do que aquelas que sabem apenas o tempo em que vão precisar caminhar; ou apenas as calorias presentes na refeição; ou então aquelas que não recebem nenhuma informação nutricional

Continua após a publicidade

Ainda segundo a pesquisa, desenvolvida na Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, o efeito sobre o consumidor é maior se lhe é informada a quantidade de atividade física que ele precisará fazer, e não o tempo em que precisará exercitar-se. Ou seja, causa mais impacto dizer quantos quilômetros ele precisará caminhar do que por quantos minutos ou horas ele deveria fazê-lo se quisesse gastar as calorias consumidas.

Leia também:

O que bebemos durante as refeições determina opção por alimentos saudáveis

O estudo selecionou 802 mulheres adultas que responderam a questionários aplicados pela internet. Elas foram dividias em quatro grupos e cada um recebeu um tipo de cardápio. Em um deles, havia a quantidade de calorias de cada alimento; em outro, as calorias e o tempo de caminhada necessário para queimá-las; no terceiro, as calorias e a distância necessária para caminhar a fim de gastá-las; e, no último, nenhuma informação nutricional.

Todos os cardápios ofereciam sanduíches, saladas, bebidas e sobremesas. O hambúrguer tradicional, por exemplo, continha 250 calorias, que, para serem queimadas, exigem que uma pessoa caminhe por 78 minutos ou por 4,2 quilômetros.

Opções saudáveis – Quando as mulheres receberam os cardápios, a equipe pediu que elas se imaginassem em um restaurante fast food e dissessem o que escolheriam para comer. Os resultados mostraram que aquelas que se basearam nos cardápios que não continham informação nutricional alguma foram as que pediram as refeições mais calóricas, com 1.020 calorias em média. Esse número foi de 927 calorias por refeição entre as participantes que receberam somente informações sobre o valor calórico dos alimentos; de 916 calorias entre aquelas cujo cardápio informava também sobre o tempo de duração caminhada; e de 826 calorias entre as mulheres que foram informadas sobre a distância da caminhada.

Resta saber, afirmam os autores do estudo, se essas conclusões, que foram obtidas a partir de uma simulação na internet, também são válidas em uma situação real.

Continua após a publicidade

Publicidade