Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

O uso dos hormônios da tireoide para emagrecer, uma moda perigosa

VEJA consultou 18 médicos de São Paulo e do Rio de Janeiro, e todos, sem exceção, confirmaram a tendência

Por Thaís Botelho Atualizado em 21 ago 2017, 13h15 - Publicado em 20 ago 2017, 08h00

Um perigosíssimo hábito tem crescido entre as mulheres: o uso de hormônios da tireoide como recurso dietético. Não se sabe exatamente quantas estão adotando a prática no Brasil. VEJA consultou 18 médicos de São Paulo e do Rio de Janeiro, e todos, sem exceção, confirmaram a tendência. A princípio, a ideia faz todo sentido. A tireoide, uma das glândulas mais importantes do corpo humano, está localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo do popular gogó. Uma de suas funções primordiais é fabricar dois hormônios, o T3 e o T4, que também participam da regulação do metabolismo. Uma das vias é incitar o sistema nervoso a estimular a fabricação de substâncias como noradrenalina e adrenalina, compostos que aumentam o consumo de oxigênio celular em todo o organismo. Isso faz com que as células gastem energia. O desequilíbrio da função tireoidiana causa doenças. O hipotireoidismo, por exemplo, se configura pela produção desses hormônios abaixo do normal e requer o consumo de doses extras na forma sintética dos hormônios T3 e T4. A ingestão em excesso dessas substâncias, ou seja, por pessoas saudáveis que não precisariam tomar hormônio, emagrece porque ativa a queima de energia. Calcula-se que o T3 e o T4 aumentem em 40% o metabolismo basal, aquele necessário para o organismo manter as funções básicas, como os batimentos cardíacos, a temperatura do corpo, o consumo de oxigênio e o funcionamento dos rins. Há relatos de usuárias que perderam cinco quilos, em média, ao longo de um ano. No entanto, nestas mulheres saudáveis, o emagrecimento carrega um pacote nocivo. Um dos principais efeitos ruins das doses extras é o impacto no coração, órgão sensível a ação hormonal. Os hormônios aceleram o funcionamento cardíaco. Pode haver arritmia e insuficiência cardíaca.

Leia esta reportagem na íntegra assinando o site de VEJA ou compre a edição desta semana para iOS e Android.

Aproveite também: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Publicidade