Clique e assine a partir de 8,90/mês

Flexibilização da quarentena poupou 318 mil empregos em SP, indica análise

Segundo o estudo da Fipe, medidas não comprometeram sistema de saúde e beneficiaram principalmente trabalhadores formais de baixa renda e pouca escolaridade

Por Da Redação - Atualizado em 17 ago 2020, 14h41 - Publicado em 17 ago 2020, 14h39

Em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira, 17, o governo do estado de São Paulo afirmou que as flexibilizações da quarentena anunciadas desde 1º de junho no chamado Plano São Paulo foram responsáveis por manter 318.000 empregos sem comprometer o sistema de saúde.

A análise é assinada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e aponta que os mais beneficiados com a reabertura foram os trabalhadores com menor renda, escolaridade até no máximo o ensino médio e empregados no mercado formal. Os homens (54,8%) também tiveram mais empregos preservados que as mulheres (45,2%).

O estudo também apontou que as regiões mais dedicadas a acompanhar o faseamento de reabertura proposto pelo plano do governo obtiveram os melhores resultados. A grande São Paulo foi a que mais teve postos de trabalhos poupados.

Um dos dados levados em conta pelo estudo foi a ocupação de leitos de UTI por pacientes com Covid-19 em todo o Estado, taxa que passou de 74% em 1º de junho para 57,4% em meados de agosto. Parte desta drástica diminuição está ligada ao aumento da capacidade hospitalar, que passou de 11 leitos por 100.000 habitantes para 22 leitos por 100.000 habitantes ao longo da pandemia

Dados epidemiológicos

Desde o começo da crise do coronavírus, São Paulo registrou 702.665 diagnósticos da doença e 26.899 mortes em decorrência do vírus. Recuperados estão estimados em 502.107 pessoas e altas hospitalares estão em 81.573. Nas últimas 24 horas foram 3.172 diagnósticos positivos e 47 novos óbitos.

De acordo com o governo, a média diária de novas internações e de mortes por semana apresentou queda: foram 1.658 e 252 registros diários respectivamente.

ASSINE VEJA

A encruzilhada econômica de Bolsonaro Na edição da semana: os riscos da estratégia de gastar muito para impulsionar a economia. E mais: pesquisa exclusiva revela que o brasileiro é, sim, racista
Clique e Assine
Continua após a publicidade
Publicidade