Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Dieta do Mediterrâneo pode entrar na lista de patrimônios culturais da Unesco

Desde 2003, o órgão agrega tradições orais, práticas sociais e festividades locais a prédios antigos e paisagens naturais

Por Da Redação 23 ago 2010, 17h51

A lista de patrimônios da humanidade da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) é, normalmente, relacionada a cidades antigas, templos gregos, monumentos religiosos ou até locais de uma beleza natural exuberante. Mas a mesma lista deve engrossar em novembro deste ano. A dieta do Mediterrâneo – com sua mistura de frutas, vegetais, peixe grelhado e azeite de oliva – pode integrar uma relação de patrimônios culturais “intangíveis”, lançada pela Unesco em 2003. A idéia é agregar tradições orais, artes performáticas, práticas sociais, rituais e festivais aos já tradicionais prédios e vistas naturais.

Se for aprovada em novembro, durante a votação em Nairóbi, capital do Quênia, a dieta irá se juntar às 178 experiências culturais já elencadas pelo órgão, que incluem desde o tango e os cantos dos pigmeus da África Central aos teatros de bonecos da Sicília e as canções pastorais da Sardenha. “Isso é um grande sucesso para o nosso país, nossa tradição gastronômica e nossa cultura”, afirmou Giancarlo Galan, ministro italiano da agricultura, ao jornal The Guardian. A primeira proposta de inclusão da dieta, no entanto, feita há quatro anos pela Itália, Grécia, Espanha e Marrocos, foi recusada.

A dieta do Mediterrâneo ganhou os holofotes do mundo no final do século 20, promovida desde o pós-guerra por escritores como Elizabeth David, autora do livro Mediterranean Food. Além de ajudar no equilíbrio da saúde e na longevidade, estudos apontam ainda que ela pode prevenir algumas doenças, como a depressão. “Na Itália de hoje os pais ainda estão em boa forma, mas seus filhos sofrem cada vez mais com a obesidade. Houve uma ruptura drástica nos hábitos alimentares entre as duas gerações”, comenta Rolando Manfredini, membro do grupo de agricultores italianos.


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)