Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Autismo: intervenção precoce é fundamental

Com elas, pesquisadores descobriram que há ganhos nas áreas de comunicação, interações sociais, comportamentos e habilidades adaptativas

Por Diego Alejandro
21 jun 2023, 18h40

Nos últimos anos, o número de diagnósticos de autismo tem crescido exponencialmente. Um estudo recente, realizado no Reino Unido, descobriu que houve um aumento de 787% nos casos entre 1998 e 2019. Já a Organização Mundial da Saúde estima que, globalmente, 1 em cada 100 crianças tem autismo, com a idade média global de 5 anos, embora possam ser diagnosticadas de forma confiável a partir dos 18 meses de idade.

E é justamente nesse período que os pesquisadores do Children’s Hospital of Philadelphia (CHOP), da Florida State University (FSU) e da University of California, Los Angeles (UCLA), nos Estados Unidos, demonstraram ser fundamental para iniciar a intervenção, treinando pais de crianças autistas para conseguir melhores resultados na linguagem, comunicação social e habilidades de vida diária. As descobertas foram publicadas recentemente na revista Autism.

“Muitos de nós, na comunidade do autismo, dizem que mais cedo é melhor, mas na verdade não temos evidências suficientes para isso, então um estudo randomizado controlado como este ajuda a resolver esse problema”, disse o principal autor Whitney Guthrie, psicóloga clínica do Centro de Pesquisa sobre Autismo do CHOP.

O grupo de pesquisa usou o modelo Early Social Interaction (ESI), uma intervenção que fornece uma estrutura para apoiar o desenvolvimento da criança em comunicação social e envolvimento ativo. Também serve para os pais, que recebem educação em grupo e treinamento individualizado para incorporar estratégias baseadas em evidências às atividades cotidianas nos ambientes naturais da família.

Continua após a publicidade

O estudo constatou também que as crianças que receberam treinamento ESI individualizado anteriormente mostraram maiores ganhos no uso e compreensão da linguagem, uso social de habilidades de comunicação e de autoajuda. Além disso, os resultados foram específicos para o modelo de coaching parental intensivo e individualizado, em comparação com o tratamento de educação em grupo.

Pesquisas realizadas na década de 1980 descobriram que quase 50% das pessoas diagnosticadas com autismo apresentavam comunicação verbal limitada ao longo da vida. No entanto, dados recentes mostram que esse número caiu para 10% com o aumento de intervenções efetivas e precoces. 

“A intenção é apoiar os pais e outros cuidadores em suas interações cotidianas, não substituir outras possíveis fontes de intervenção, incluindo programas pré-escolares e terapias diretas”, disse a professora da UCLA, Catherine Lord. Ela espera que os resultados exibidos “estimulem discussões entre as agências governamentais sobre como levar as crianças aos serviços mais rapidamente, exigindo um diagnóstico final e melhores serviços de reembolsados”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.