Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Saiba mais sobre a única emergência global mantida pela OMS

Status mais alto de atenção da entidade é declarado quando doença tem potencial de ultrapassar fronteiras e ameaçar pessoas ao redor do mundo

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 11 Maio 2023, 19h03

Com o fim da Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (PHEIC, na sigla em inglês) para a mpox, zoonose viral que ficou conhecida como varíola dos macacosmonkeypox, anunciado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira, 11, apenas uma doença permanece no mais alto status dado pela entidade para uma doença em circulação no mundo: a poliomielite, também chamada de pólio e paralisia infantil. Altamente contagiosa e responsável por quadros de paralisia nos membros inferiores, ela é mantida em emergência internacional desde 2014, o período mais longo desde a criação do mecanismo em 2005. Na semana passada, após mais de três anos, a OMS também encerrou a emergência global para Covid-19.

A declaração ocorreu diante do registro de 68 casos de poliovírus selvagem, o que ameaçava a meta de erradicação global da doença estabelecida pela Assembleia Mundial da Saúde em 1988, quando a pólio causava paralisia em 1 mil crianças por dia. Entre 1988 e 2021, os casos de poliovírus selvagem caíram de 350 mil episódios em 125 países endêmicos para seis casos em 2021. O último episódio notificado no Brasil ocorreu em 1989 e o país foi considerado livre do vírus em 1994.

O polivírus selvagem tem três cepas e duas já foram erradicadas. O tipo 2 foi eliminado em 1999 e o 3, em 2020. No ano passado, o poliovírus endêmico tipo 1 continuava ativo apenas no Paquistão e no Afeganistão.

A pólio afeta principalmente crianças com menos de 5 anos e foi responsável por surtos que deixaram pacientes pediátricos sem movimentos das pernas e causou mortes. Segundo a OMS, uma em cada 200 infecções leva à paralisia irreversível e, nessa população, 5 a 10% morrem em decorrência da imobilidade dos músculos respiratórios.

O contágio ocorre de pessoa para pessoa por via oral-fecal ou por contato com alimentos ou água contaminados. A multiplicação do vírus ocorre no intestino e, após a invasão do sistema nervoso, a paralisia pode ter início em questão de horas. Os primeiros sintomas são febre, fadiga, dor de cabeça, vômitos, rigidez de nuca e dores nos membros.

Continua após a publicidade

Não há tratamento para a poliomielite e só a vacina pode evitar casos da doença. Ela é oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para bebês e crianças, que também devem receber doses de reforço (veja esquema abaixo).

A cobertura vacinal para evitar surtos e epidemias deve ser de 95%, mas, no caso da pólio, ela tem caído. Um levantamento da Unicef divulgado no fim do mês passado mostrou queda de 84,2% (2019) para 67,7% (em 2021).

Em setembro do ano passado, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS)  alertou que Brasil, República Dominicana, Haiti e Peru corriam risco muito alto de retorno da poliomielite por causa da queda nas coberturas vacinais. 

Veja calendário de vacinação contra a poliomielite

Esquema inicial

Poliomielite 1,2,3 (VIP – inativada)
1ª dose: 2 meses de idade
2ª dose: 4 meses de idade
3ª dose: 6 meses de idade

Reforço

Poliomielite 1 e 3 (VOP – atenuada)
1° reforço: 15 meses de idade
2° reforço: 4 anos de idade

Emergência internacional

A Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional é uma das medidas previstas pelo Regulamento Sanitário Internacional (RSI), estabelecido em 2005, que tem como foco “ajudar a comunidade internacional a prevenir e responder a graves riscos de saúde pública que têm o potencial de atravessar fronteiras e ameaçar pessoas em todo o mundo”. Com a declaração, as ações dos países passam a ser coordenadas para evitar que a doença se espalhe ainda mais e cause impactos para as populações e sistemas de saúde.

Continua após a publicidade

Até o momento, a emergência foi declarada sete vezes: na pandemia de gripe H1N1 (2009), nos surtos de Ebola (na África Ocidental 2013-2015 e na República Democrática do Congo 2018-2020), poliomielite (2014), Zika vírus (2016), Covid-19 (2020) e mpox (2022).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.