Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Varíola dos macacos: as ferramentas da ciência para combater a ameaça

Entre as medidas adotadas para conter a doença estão o rastreamento de contatos e isolamento das pessoas infectadas

Por Paula Felix Atualizado em 27 Maio 2022, 14h16 - Publicado em 27 Maio 2022, 06h00

Quando a pandemia de Covid-19 eclodiu, houve imediato alerta, como um mantra: nas próximas décadas, o rápido alastramento de infecções não seria mais um evento raro. O salto de vírus presentes em animais para seres humanos, como ocorreu com o novo coronavírus, é um movimento cada vez mais provável dentro do cenário que vem sendo criado há séculos pela civilização. No rastro da destruição das florestas, da urbanização desenfreada e das desigualdades sociais que empurram populações para moradias em áreas sem saneamento, há a possibilidade de novos surtos. O roteiro é tristemente simples: os microrganismos deixam seus hospedeiros naturais, como roedores, aves e macacos e encontram nos seres humanos condições favoráveis à replicação. A falta de higiene, a proximidade e a pouca proteção nas relações do homem com os bichos são as principais circunstâncias que alimentam o fenômeno. Não é coincidência, portanto, que antes mesmo do encerramento da atual crise sanitária a ciência já esteja lidando com dois outros grandes problemas: desvendar as causas de uma hepatite registrada em crianças e compreender o espalhamento da varíola dos macacos (monkeypox, em inglês), parente da erradicada varíola, cujos casos estão sendo notificados em velocidade surpreendente em países distantes da África, onde a doença é endêmica.

A explosão de casos da varíola completa três semanas. Até o sábado 21, haviam sido registrados 92 casos confirmados e 28 suspeitos em doze países. Foram observadas várias peculiaridades em relação ao que a ciência estava habituada a encontrar. A enfermidade foi identificada em 1958 e recebeu esse nome por ter sido observada pela primeira vez em primatas utilizados em pesquisa. O vírus foi detectado em humanos apenas em 1970, em uma criança da República Democrática do Congo. O contágio se dá pelo contato com bichos infectados, principalmente com esquilos, arganazes e outros tipos de roedores, e a transmissão de pessoa para pessoa ocorre por meio de gotículas, toques nas erupções que surgem na pele do paciente ou materiais contaminados.

arte varíola

O vírus da varíola dos macacos é da mesma família daquele que aniquilou populações ao longo de séculos e sobre o qual a ciência teve uma de suas mais espetaculares vitórias: a criação de uma vacina, em 1796, por Edward Jenner, recurso que dois séculos depois levou à erradicação da enfermidade. Diferentemente da varíola hoje erradicada, a monkeypox costuma produzir sintomas leves ou, no máximo, moderados. Febre, dores musculares, inflamações, pústulas e uma coceira intensa e irritante são os mais comuns. Em geral, eles desaparecem depois de vinte dias. A enfermidade circula de forma endêmica em países africanos como Nigéria, Camarões, Serra Leoa, Libéria e República Democrática do Congo, o país mais atingido. Entre janeiro e maio deste ano, houve ali 1 238 registros e 57 mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Os surtos são descritos desde 1997, mas, entre 2016 e 2020, passaram a ser anuais. Entre as medidas adotadas para conter a doença nessas localidades estão o rastreamento de contatos e isolamento das pessoas infectadas.

O primeiro surto fora da África foi registrado em 2003 nos Estados Unidos. Na ocasião, 47 pessoas foram infectadas após adquirir cães-de-pradaria, que ficaram em contato com um carregamento de 800 mamíferos e roedores importados de Gana para o Texas. Seis estados americanos tiveram casos, contidos com rastreamento e vacinação — a vacina contra a varíola tem 85% de eficácia contra a monkeypox. Embora seja uma doença conhecida, especialistas concordam que os casos reportados nos últimos dias apontam características diferentes. “É a primeira vez que estamos vendo casos em muitos países ao mesmo tempo e entre pessoas que não viajaram para as regiões endêmicas”, disse Rosamund Lewis, da OMS. Esse ciclo recente começou com um viajante do Reino Unido. Logo depois, vieram Portugal e Espanha.

IDENTIFICAÇÃO - Rastreamento na África: infectados ficam isolados -
IDENTIFICAÇÃO - Rastreamento na África: infectados ficam isolados – Charles Bouessel/AFP

Um ponto em investigação é se algo mudou em relação à transmissão. Como os episódios foram reportados por homens homossexuais, bissexuais e que fazem sexo com outros homens, está sob apuração se a doença pode ser transmitida sexualmente. Mas, antes que qualquer bandeira de preconceito se levante, como ocorreu com o HIV quando surgiram os primeiros casos, entre homens homossexuais, é bom lembrar que o mero contato com a pele é suficiente para a infecção. “Este surto não é típico, e definitivamente não é uma doença gay”, disse Andy Seale, conselheiro da OMS. “Qualquer indivíduo pode contraí-la se tiver contato próximo com uma pessoa infectada.”

Continua após a publicidade

EMERGÊNCIA - Casa cheia na OMS, em Genebra: discussão para conter disseminação da doença -
EMERGÊNCIA - Casa cheia na OMS, em Genebra: discussão para conter disseminação da doença – Jean-Guy Python/AFP

Preocupadas, autoridades de saúde do mundo todo rapidamente se mobilizaram para enfrentar a nova ameaça. Na OMS, reuniões de emergência estão sendo realizadas semanalmente. Em muitos países, comitês de especialistas foram formados para acompanhar as situações locais. Na Espanha, onde há 51 casos, os agentes de Madri determinaram o fechamento de uma sauna na qual vários casos foram notificados. No Brasil, o Ministério da Saúde criou também um grupo para acompanhar a evolução da doença. A comunidade científica também está atenta. Em publicação nesta semana no Annals of Internal Medicine, uma das revistas médicas mais relevantes do mundo, especialistas em epidemiologia e segurança da saúde da Johns Hopkins Center for Health Security, dos Estados Unidos, fizeram um alerta pedindo aos médicos que estejam preparados para lidar com episódios da doença e informar as autoridades responsáveis. A chave: detectar casos e tomar as providências para impedir a transmissão.

INTERDITADA - Sauna em Madri: casos de varíola levaram a fechamento -
INTERDITADA - Sauna em Madri: casos de varíola levaram a fechamento – Google Maps/Reprodução

A mobilização mundial provocada pela varíola dos macacos se deve muito à lição da pandemia de Covid-19. A crise deixou claro que os impactos da ação humana sobre a natureza para a saúde chegaram com força e é preciso agir bem rápido para evitar novas tragédias. “A pandemia serviu para escancarar a situação e revelou o que os atos do ser humano estão causando, e esse comportamento nunca foi tão forte”, afirma a infectologista Rosana Richtmann, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, hospital de referência em doenças infecciosas no Brasil. De fato, não é difícil puxar pela memória episódios de ascensão de doenças que já estavam sob controle, febre amarela entre elas, ou de novas enfermidades por causa da interferência humana no complexo ecossistema do planeta. Períodos prolongados de chuvas derivados das mudanças climáticas, por exemplo, contribuem para a proliferação de doenças transmitidas por mosquitos, como dengue, zika e chikungunya, cujos vírus são carregados pelo mosquito Aedes aegypti.

arte varíola

Não se trata, contudo, de anunciar o apocalipse, como se a humanidade vivesse hoje em situação pior do que no passado. Evidentemente não, apesar do insistente negacionismo de parcelas obtusas da sociedade, que transformam a saúde em ideologia. O susto com a Covid-19 e a rapidíssima reação ofereceu as cartas necessárias para evitar novas catástrofes médicas. Primeiro, ensinou que a relação homem-natureza precisa ser mais sensata, menos ambientalmente agressiva, se quisermos sobreviver. Depois, sistemas como redes de vigilância genômica e a troca intensa de informações entre os países mostraram-se instrumentos eficazes de contenção. Além disso, as vacinas mais uma vez estão provando seu definitivo valor. Agora, é preciso pôr as lições em prática com urgência e inteligência. O espanto com a varíola dos macacos, que pede atenção, evidentemente, não pode se transformar em pânico. A ciência vencerá, como sempre.

Publicado em VEJA de 1 de junho de 2022, edição nº 2791

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)