Clique e assine a partir de 8,90/mês

Após saída de Teich, ministério prepara novas orientações para casos leves

Divergência sobre recomendação da cloroquina, defendida por Bolsonaro, no tratamento da Covid-19 foi um dos fatores para a demissão do ex-titular da pasta

Por Redação - 16 Maio 2020, 10h04

Horas depois da demissão de Nelson Teich, o Ministério da Saúde informou que prepara novas orientações para o tratamento de pacientes com sintomas leves do coronavírus. Embora o comunicado não cite remédios específicos, o documento deve incluir a cloroquina, motivo de divergência entre o agora ex-ministro e o presidente Jair Bolsonaro e um dos fatores que levaram à saída de Teich.

“O objetivo é iniciar o tratamento antes do seu agravamento e necessidade de utilização de UTI. Assim, o documento abrangerá o atendimento aos casos leves, sendo descritas as propostas de disponibilidade de medicamentos, equipamentos e estruturas, e profissionais capacitados”, afirma a nota. “As orientações buscam dar suporte aos profissionais de saúde do SUS (Sistema Único de Saúde) e acesso aos usuários mais vulneráveis às melhores práticas que estão sendo aplicadas no Brasil e no mundo.”

Antes da demissão de Teich, Bolsonaro já havia dito em uma transmissão nas redes sociais que o governo mudaria o protocolo para prescrição massiva da cloroquina para quem contraiu a doença. Dias atrás, em uma postagem em uma rede social, o então ministro da Saúde alertou que a cloroquina é prescrita para pacientes hospitalizados e outros casos excepcionais e fez um alerta de que o medicamento pode causar eleitos colaterais.

“Então, qualquer prescrição deve ser feita com base em avaliação médica. O paciente deve entender os riscos e assinar o ‘Termo de Consentimento’ antes de iniciar o uso da cloroquina”, ressalvou. O antecessor de Teich, Luiz Henrique Mandetta, também questionou o eventual uso mais massivo da cloroquina na doença. O medicamento não tem eficácia comprovada contra a Covid-19.

ASSINE VEJA

Covid-19: Amarga realidade As cenas de terror nos hospitais públicos brasileiros e as saídas possíveis para mitigar a crise. Leia nesta edição.
Clique e Assine

(Com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade