Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Weintraub erra valor: exame custará R$ 500 milhões, e não R$ 500 mil

Durante anúncio oficial, ministro exaltou o valor baixo da avaliação; depois, Inep corrigiu a informação e atribuiu erro a 'inconsistência na planilha'

Por Da Redação Atualizado em 3 Maio 2019, 09h07 - Publicado em 3 Maio 2019, 09h03

Por um erro do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, divulgou um custo total bem menor para a avaliação do nível de alfabetização. Durante anúncio oficial nesta quinta-feira, 2, em Brasília, Weintraub festejou inicialmente um gasto contratado de apenas 500 mil reais para a avaliação, que deve atingir cerca de 7 milhões de estudantes.

Na coletiva, chegou a ressaltar o valor várias vezes, dizendo que “cada real do contribuinte” era importante. “Vamos avaliar não só o desempenho das crianças como o sistema de ensino como um todo. Nós vamos fazer um exame para 7 milhões de crianças a um custo de 500 mil reais. É importante falar. A postura nossa é sempre de dizer ao pagador de imposto e à sociedade onde está sendo alocado o imposto. Então, uma avaliação que vai ser feita a 7 milhões de crianças a um custo total de 500 mil reais, para saber se as coisas estão andando bem”, comemorou o ministro.

Minutos depois, o Inep informou que o valor estimado para a realização do exame era, na verdade, de cerca de 500 milhões de reais. “O presidente do Inep [Elmer Vicenzi] informa que o valor estimado para a aplicação do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) 2019 é de aproximadamente 500 milhões de reais. O valor de 500 mil reais foi incorretamente apresentado ao ministro na coletiva de imprensa realizada nesta data, em função de uma inconsistência material na planilha de custos elaborada pelo Inep”, informou a nota oficial do Instituto.

  • Em 2017, o custo da edição do  Saeb ficou em cerca de 250 milhões de reais – os valores não são comparáveis, porém, por causa das alterações no exame e pelo fato de a análise na época não incluir a prova de alfabetização – que havia ocorrido no ano anterior.

    O exame de alfabetização havia sido cancelado completamente pela gestão do ex-ministro Ricardo Vélez Rodríguez. Depois de intensa repercussão negativa, já que a alfabetização é considerada etapa crucial para o desenvolvimento escolar do aluno, no entanto, o governo do presidente Jair Bolsonaro voltou atrás.

    Até a última prova, feita em 2016, os exames de leitura, escrita e matemática tinham sido feitos para todas as crianças do terceiro ano do ensino fundamental. Agora, haverá uma amostra de escolas públicas e privadas e o ano avaliado será o segundo, ou seja, crianças de 7 anos e não mais de 8. Essa última mudança já havia sido pedida pelo governo anterior, de Michel Temer. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) estipula que as crianças devem estar alfabetizadas até o fim do segundo ano.

    (Com Estadão Conteúdo)

    Continua após a publicidade
    Publicidade