Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

UPPs não terão mais poder de vetar bailes em favelas

Governador Sérgio Cabral revogou resolução que permitia ao comando das unidades da PM autorizar ou não eventos, festas e bailes funk

Por Da Redação - 14 ago 2013, 17h55

Em mais uma ação para eliminar um foco de rejeição, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, revogou a resolução que permitia ao comando da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) autorizar ou não eventos artísticos, sociais e esportivos nas favelas chamadas de “pacificadas”. Foi criado um grupo de trabalho com representantes da Casa Civil, Secretaria de Estado de Segurança e prefeitura para estabelecer as novas normas. O governador tira das UPPs, assim, o poder de vetar festas e reuniões – sobretudo os bailes funk, principal alvo da reclamação dos moradores dessas áreas. E as favelas passam a ter, como deve ser, a mesma regra do resto da cidade, onde é a prefeitura – com anuência das polícias civil e militar e do Corpo de Bombeiros – a capacidade de licenciar tais eventos.

Cabral e Paes revogam decisões para conter protestos

“O protagonismo dos eventos na cidade é da prefeitura. Naturalmente, os órgãos estaduais, como o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar (PM), serão ouvidos, como acontece em toda cidade, e será assim também nas comunidades pacificadas”, afirma nota divulgada pelo governo do Rio. O governo do Estado anunciou que haverá período de transição até que a nova proposta seja concluída.

Leia ainda: Black Bloc planeja endurecer protestos no Rio

Publicidade

Os protestos desta quarta-feira pelo Brasil

Moradores da Penha acusam PM de matar adolescente

Pouco a pouco, Cabral revê decisões que contribuíram para criar para ele e seu governo rejeições em diversas áreas. Das favelas, vinham as queixas de autoritarismo por parte dos policiais; dos torcedores, a privatização e os altos preços dos ingressos no novo Maracanã; da população em geral, a indignação com o uso de helicópteros para transporte cotidiano e em momentos de lazer com a família.

Leia também:

Publicidade

Protesto na Alerj cobra solução para sumiço de Amarildo

Em gravação, traficante diz ter matado Amarildo para incriminar policial

Cabral admitiu publicamente que falhou e dialogou pouco com a população, e que precisaria ser “mais humilde” para reverter a situação. O governador do Rio é a figura mais criticada nos protestos, com manifestações dirigidas a ele também na capital paulista.

Na última segunda-feira, mais um protesto em frente ao Palácio Guanabara terminou em pancadaria e quebra-quebra. Nesta quarta-feira, está programada a concentração de manifestantes às 17h30 na Praça São Salvador, no bairro das Laranjeiras, com caminhada até o Guanabara. O palácio, de onde foram retirados os alambrados na semana passada, voltou a ser cercado.

Publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade