Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

PSDB quer respostas da OIT e da ONU sobre Mais Médicos

Líder do partido na Câmara cobra providências sobre condições em que médicos cubanos foram contratados. Irmãos Castro embolsam 70% do salário

Por Gabriel Castro, de Brasília 28 fev 2014, 16h09

O PSDB vai pedir à Organização Internacional do Trabalho (OIT) e à Organização das Nações Unidas (ONU) providências sobre o tratamento diferenciado oferecido aos profissionais cubanos contratados pelo governo brasileiro por meio do programa Mais Médicos.

O líder tucano na Câmara, Antonio Imbassahy (BA), anunciou nesta sexta-feira que vai se reunir com representantes da OIT para pedir que a entidade investigue o caso, devido à suspeita de que os cubanos são submetidos a um regime análogo à escravidão. Ele também vai pedir a convocação do ministro da Saúde, Arthur Chioro, e do procurador-geral da União (da Advocacia-Geral da União), Paulo Henrique Kuhn, para falar sobre o assunto na Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

Leia também:

Governo eleva salário de cubanos. Mas ditadura segue com a maior parte

PSDB quer investigar condições de trabalho de cubanos no Mais Médicos

Médica cubana cobra R$ 36 mil do governo brasileiro

À ONU e à Organização Mundial de Saúde (OMS), Imbassahy enviará uma carta pedindo apuração sobre a conduta dos agentes da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), que é a intermediária da parceria entre os governos do Brasil e de Cuba.

Mesmo após o aumento de salário dos médicos cubanos, anunciado nesta sexta-feira pelo Ministério da Saúde, o governo de Cuba continuará recebendo cerca de 70% do valor pago pelo governo brasileiro, que é de 10.000 reais mensais por médico. Os outros profissionais do Mais Médicos recebem integralmente o salário de 10.000 reais.

“São intrigantes o silêncio da OPAS e o sigilo que se impôs sobre as condições de contratação dos profissionais cubanos para o Mais Médicos”, afirmou Imbassahy.

Continua após a publicidade

Publicidade