Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pressionado por ruralistas, presidente da Funai é exonerado pela 2ª vez

Franklimberg era pressionado por ruralistas liderados pelo secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Luiz Antonio Nabhan Garcia

O presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Franklimberg Ribeiro de Freitas, anunciou nesta terça, 11, que será exonerado do cargo. É a segunda vez que o general é demitido da função por pressão de ruralistas.

A primeira queda ocorreu durante o governo de Michel Temer, quando entrou em atrito com parlamentares que pretendiam alterar processos de demarcação de terras indígenas.

Franklimberg disse ao jornal O Estado de São Paulo que recebeu uma ligação do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, informando que sua exoneração será publicada nesta quarta-feira, 12, no Diário Oficial da União.

O general, que estava havia menos de cinco meses no cargo, passou a ser alvo de pressão de ruralistas liderados pelo secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura (Mapa), Luiz Antonio Nabhan Garcia.

Questionado sobre o assunto, o general disse que a fundação continua a ser alvo de interesses sem nenhuma relação com a causa indígena e que esses, mais uma vez, prevalecem no caminho da autarquia ligada ao Ministério da Justiça (MJ).

“A realidade é que, infelizmente, assessores do presidente da República que pensam quem conhecem a vida e a realidade dos povos indígenas têm assessorado muito mal o presidente da República”, disse Franklimberg.

Nabhan Garcia é amigo de longa data do presidente Jair Bolsonaro. Presidente licenciado da União Democrática Ruralista (UDR), passou a ser o principal articulador das mudanças na demarcação de terras indígenas e licenciamento ambiental envolvendo essas áreas. Ocorre que o governo não conseguiu manter a Funai debaixo de seu controle no Mapa e viu a Funai voltar para o MJ, após derrota no Congresso.

“A informação que recebi é que, na quinta-feira, quando a Funai volta para o Ministério da Justiça, já não estarei aqui. Há vetores externos sobre a Funai que, em seu histórico, sempre estão prevalecendo sobre as políticas indígenas”, disse o general. “Não fiz nada de errado. Procurei cumprir com todas as missões institucionais e as políticas do governo. Hoje o futuro da Funai é incerto. Não há como definir o amanhã.”

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Geomar Carneiro

    Acredito na sua competência Gal. Franklinberg, mais precisamos de mudanças urgentes na política indigenista deste país, inclusive do linhão de energia para Roraima, com urgência.

    Curtir