Clique e assine com até 92% de desconto

Os piores momentos da sessão da CPI das Fake News que ouviu Joice

Com troca de ofensas entre deputados, racha na bancada do PSL se acentuou

Por Giovanna Romano Atualizado em 5 dez 2019, 14h40 - Publicado em 5 dez 2019, 12h40

Desde a sua convocação para depor, a presença da deputada federal e ex-líder do governo Joice Hasselmann (PSL-SP) na CPI das Fake News foi cercada de expectativas. Recém-rompida com o Planalto na briga que culminou com a saída de Jair Bolsonaro do PSL, ela prometia detalhar o funcionamento de um suposto mecanismo de distribuição de notícias falsas a partir do núcleo próximo ao presidente da República.

A deputados e senadores, Joice disse existir um esquema de “organização criminosa” articulado na internet a favor de Bolsonaro desde o início da sua campanha. “Há, infelizmente, dinheiro público por trás dos ataques virtuais [da direita]”, afirmou a parlamentar durante a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito das fake news, nesta quarta-feira, 4.

  • Ela também afirmou que o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) tentou montar uma “Abin paralela” no governo. Joice referia-se à Agência Brasileira de Inteligência, órgão de Estado que tem a função de monitorar e investigar possíveis ameaças à segurança nacional. Segundo Joice, a tentativa de Carlos de montar uma espécie de serviço secreto paralelo provocou uma crise entre o filho Zero Dois do presidente da República e membros do Palácio do Planalto, que discordaram da proposta, entre eles, o ex-ministro Gustavo Bebianno, que coordenou a campanha de Bolsonaro e foi demitido logo no início do mandato.

    A sessão também aprofundou e expôs o racha que existe na bancada do PSL, entre deputados que devem seguir Bolsonaro em seu novo partido, o Aliança pelo Brasil, e aqueles que se mantém fieis a Luciano Bivar, presidente da legenda. Antigas aliadas, Joice e Carla Zambelli trocaram ofensas. O deputado Alexandre Frota levou um bolo para “comemorar” o aniversário da revelação do caso Queiroz – referência a Fabricio Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro quando ele era deputado estadual no Rio – e foi atacado por usar uma prótese peniana.

    Veja os piores momentos da sessão da CPI das Fake News:

    Decoro em xeque

    A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) ficou preocupada após chamar a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) de Peppa – em referência ao desenho infantil Peppa Pig, insulto que é usado com frequência nas redes sociais a Joice. O fotógrafo Lula Marques flagrou o momento em que Carla mandou uma mensagem, perguntando se chama-lá assim é “quebra de decoro” parlamentar.

    “Prostituta” e “burra”

    Joice chamou Carla Zambelli de mentirosa e mencionou uma conversa que afirmou ter tido com o presidente Bolsonaro para atacar a antiga aliada: “Quem me perguntou se você tinha sido prostituta na Espanha foi o presidente. Ele me perguntou. Pergunte a ele o que eu disse”. Em outro momento, ao ouvir a colega duvidar de sua capacidade como “puxadora de votos” para o PSL na última eleição, Joice disparou: “Você não conhece a lei. Você é burra, Carla, desculpa”.

    Bolo de aniversário

    Também ex-aliado de Bolsonaro, Alexandre Frota levou um bolo de aniversário para ironizar o caso Queiroz, suspeito de operar um esquema de “rachadinha” com os salários de funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia do Rio. Frota acendeu uma vela para “comemorar” o primeiro ano do escândalo. O senador Humberto Costa (PT-PE) filmou o momento e publicou no Twitter. “Parece que é de laranja”, afirmou.

    Protese peniana

    Usando seu tempo de líder do PSDB na comissão, Alexandre Frota afirmou que o deputado federal Carlos Jordy (PSL-RJ) disse que “sentou em seu colo”. “Olha, eu não sabia que tinha ido ali, não”, brincou Frota. Jordy retrucou a provocação afirmando que Frota tem um prótese peniana. Frota fez uma cirurgia no órgão sexual após um problema na uretra.

    Desabafo

    O deputado federal Nereu Crispim (PSL-RS) também denunciou as difamações que sofre pela internet por pessoas do próprio partido. “Eu sofro calúnia, difamação. A minha esposa é chamada de prostituta. Eu sou chamado de corno todos os dias”, relatou. Ele criticou a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) pelas postagens contra o parlamentar pelas redes. Crispim contou que, por causa das ameaças, os seus filhos têm que passar por psicólogos e a sua filha deixou a faculdade. “A senhora tem um filho que mora no exterior. Os meus moram no Brasil e estão acompanhando tudo”, completou.

    Continua após a publicidade
    Publicidade