Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Na Câmara, Clarissa Garotinho chora ao falar da prisão do pai

Deputada denunciou supostas “arbitrariedades”, “crueldades” e “desumanidades” cometidas pelas autoridades durante a prisão de Anthony Garotinho

Por Da Redação Atualizado em 22 nov 2016, 19h43 - Publicado em 22 nov 2016, 17h17

De volta Brasília após acompanhar a prisão de seu pai, o ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, na semana passada, a deputada federal Clarissa Garotinho usou o tempo que lhe coube na tribuna da Câmara nesta terça-feira para denunciar supostas “arbitrariedades”, “ilegalidades” “crueldades” e “desumanidades” cometidas pelas autoridades durante a prisão. Após um périplo por hospitais do Rio de Janeiro, o ex-governador passou por uma cirurgia que lhe implantou um stent e foi hoje para casa, beneficiado pela prisão domiciliar concedida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Clarissa, que chegou a chorar durante seu discurso, aproveitou para se posicionar favoravelmente ao projeto que prevê punição a abuso de autoridade por juízes e procuradores, bandeira empunhada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Para a deputada federal, o ex-governador, preso sob a acusação de usar um programa social em Campos dos Goytacazes (RJ) para comprar votos na eleição municipal deste ano, foi vítima deste tipo de abuso.

  • “Não se vê nada tão brutal como o que fizeram com ele nem em ambiente de guerra. A Convenção de Genebra proíbe terminantemente que um exército inimigo, em ambiente de guerra, entre num hospital para interferir”, disse a parlamentar.

    “Nós não podemos permitir a continuidade desse abuso de autoridade que está acontecendo no Brasil! O meu pai, ex-Governador Anthony Garotinho, talvez seja o caso mais emblemático de abuso de autoridade nos últimos tempos aqui no Brasil”, afirmou.

    A voz de Clarissa Garotinho ficou embargada e ela chorou quando o deputado Carlos Manato (SD-ES), que comandava a sessão, disse que tem “um carinho e um respeito muito grande pela família de Vossa Excelência” e perguntou se Garotinho está bem. “Está em casa”, respondeu a emocionada deputada, que continuou: “Graças a Deus, ele já teve alta! Muito obrigada, Sr. Presidente”.

    Expulsa do PR

    A participação de Clarissa Garotinho na sessão de hoje na Câmara foi a primeira após sua expulsão do Partido da República (PR), concluída ontem. Ela era alvo de processo de expulsão do PR por ter votado contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria um teto para os gastos públicos, contrariando decisão do partido de fechar questão para que todos os seus parlamentares votassem a favor da medida.

    Em comunicado assinado pelo presidente da sigla, Antonio Carlos Rodrigues, o ex-senador informou que a Comissão Nacional Executiva se reuniu no dia 17 deste mês e deliberou pela expulsão da deputada. “Notificamos Vossa Excelência que a partir desta data será promovido seu desligamento do quadro de filiados ao Partido da República”, diz a mensagem encaminhada à parlamentar.

    Continua após a publicidade
    Publicidade