Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ex-governador do Rio, Garotinho é preso pela PF

Prisão é resultado da Operação Chequinho, que apura compra de votos durante as eleições deste ano

Por Da redação Atualizado em 16 nov 2016, 13h55 - Publicado em 16 nov 2016, 11h03

O ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, atual secretário de Governo de Campos dos Goytacazes (RJ), foi preso na manhã desta quarta-feira pela Polícia Federal em seu apartamento no Flamengo, na Zona Sul do Rio de Janeiro. A prisão preventiva é um desdobramento da Operação Chequinho, que apura a suspeita de compra de votos em Campos durante as eleições deste ano. A PF também cumpriu mandados de busca e apreensão no endereço do ex-governador. A sua mulher, Rosinha Garotinho, é prefeita da cidade do norte fluminense, base eleitoral do casal.

O nome da operação é uma referência ao programa Cheque Cidadão, que teria sido usado como moeda de troca para votos por candidatos à Câmara Municipal. O benefício, que prevê o pagamento de 200 reais a famílias carentes, foi suspenso pela Justiça em setembro. Em fases anteriores, deflagradas em outubro, três vereadores – Kellenson Ayres Figueiredo de Souza (PR), Miguel Ribeiro Machado (PSL) e Ozeias Martins (PSDB) – e a ex-secretária municipal Gisele Kock foram presos por suposta participação no esquema.

Segundo a PF, os suspeitos cadastravam eleitores no programa sem que eles fossem avaliados pela assistência social. Essa prática teria gerado uma explosão em mais de 100% no número de beneficiários de junho a outubro deste ano, quando aconteceram as eleições. Em alguns casos, os cartões do Cheque Cidadão eram entregues pessoalmente aos eleitores.

O mandado de prisão desta quarta foi expedido pelo juiz Glaucenir Silva de Oliveira, da 100ª Vara Eleitoral em Campos. Anthony Garotinho foi prefeito de Campos dos Goytacazes por dois mandatos, e governador do Rio de Janeiro de 1999 a 2002. Rosinha Garotinho também governou o Estado, entre 2003 e 2007.

Em nota, o advogado de Garotinho, Fernando Fernandes, classificou a prisão como “abusiva” e “ilegal”. A defesa também afirmou que já fez reiteradas denúncias contra a comarca eleitoral por maus-tratos a presos. “Estas denúncias de abuso foram dirigidas à Corregedoria da Polícia Federal e ao juiz, que nenhuma providência tomou. Pessoas presas mudaram vários depoimentos após ameaças do delegado. No entanto, o TSE já deferiu quatro liminares por prisões ilegais. A Justiça certamente não permitirá que este ato de exceção se mantenha contra Garotinho”, escreveu o advogado.

Garotinho, que já foi candidato à Presidência da República em 2002, tem um extenso currículo de escândalos. Entre eles, um dos mais graves foi a suspeita de ter usado seu período no Palácio Guanabara (e também o de sua mulher, Rosinha) para acobertar as ações de um grupo de policiais que, encastelados na chefia da Polícia Civil, barbarizou o Rio de Janeiro cometendo ilícitos variados. A lista inclui facilitação de contrabando, formação de quadrilha, proteção a contraventores, cobrança para nomeação de delegados, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva. Em 2010, Garotinho chegou a ser condenado a dois e meio de prisão pela Justiça Federal do Rio por formação de quadrilha. Na mesma sentença, o ex-chefe da Polícia Civil na sua gestão, Álvaro Lins, foi condenado a 28 anos de reclusão por corrupção passiva, lavagem de bens e formação de quadrilha.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)