Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maioria no Senado é a favor da abertura do processo de impeachment

Afastamento da presidente Dilma Rousseff tem o apoio de 42 senadores; para a admissibilidade do processo ser aprovada na Casa são necessários 41 votos

Levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo publicado nesta quarta-feira revela que a maioria dos senadores são favoráveis à abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff na Casa. Segundo o levantamento, 42 dos 81 senadores declararam concordar com a admissibilidade do processo de deposição, e 17 se manifestaram contrários. Dez estão indecisos. Para que o processo seja admitido e aberto na Casa, o que faria a presidente Dilma ser afastada do cargo, são necessários 41 votos.

Entre os parlamentares a favor do prosseguimento do processo está o ex-líder do governo e agora delator da Operação Lava Jato Delcídio do Amaral (MS) e a ex-petista Marta Suplicy (PMDB-SP). O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e outros sete senadores não quiseram responder e quatro não foram encontrados, entre eles Fernando Collor (PTC-AL) e Jader Barbalho (PMDB-PA), segundo o jornal.

A abertura do processo de impeachment será votada no Senado caso a Câmara aprove, neste domingo, o relatório pró-impeachment do deputado Jovair Arantes (PTB-GO). Se o processo for instaurado no Senado, Dilma é afastada por 180 dias até ser julgada pelos senadores e o vice-presidente Michel Temer assume a Presidência provisoriamente.

Para que a petista seja condenada e perca o mandato definitivamente, dois terços, ou 54 dos 81 senadores, devem votar favoravelmente ao impeachment. Neste caso, Dilma fica inelegível por oito anos. Se os dois terços favoráveis ao impedimento não forem alcançados, a petista é absolvida e reassume o governo imediatamente.

Leia mais:

Câmara agenda votação do impeachment: domingo às 14h

PP anuncia maioria contra Dilma e desembarca do governo ​

PRB decide votar pelo impeachment de Dilma

(Da redação)