Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Governador de SC: Bolsonaro atraiu republicanos e não republicanos ao PSL

Crítico da disputa por poder e dinheiro no partido, Carlos Moisés ataca bolsonaristas radicais e espera nunca ser assunto entre os filhos do presidente

Por Edoardo Ghirotto 25 out 2019, 07h51

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, é identificado como um dos quadros moderados do PSL, o partido ao qual o presidente Jair Bolsonaro ainda está filiado. Em seus dez primeiros meses de gestão, Moisés tomou iniciativas que surpreenderam eleitores de outros partidos e até a base bolsonarista, como a taxação de agrotóxicos de acordo com o grau de periculosidade. As medidas fizeram do governador um alvo de deputados catarinenses do PSL e de simpatizantes do presidente. “Esse é um grupo pequeno”, disse Moisés. “Eles se alimentam da violência e precisam agredir alguém para manter um pleno diálogo com esses eleitores”. Ele entende que, ao levantar a bandeira contra a corrupção, Bolsonaro aglutinou no PSL políticos com ideais republicanos e outros com posições radicais. “Mas, ao seu tempo, as pessoas terão maior discernimento para escolher melhor os seus representantes”, declarou.

À distância, o governador acompanha a crise movida por dinheiro e poder que opôs Bolsonaro ao deputado Luciano Bivar (PE), presidente do PSL. E lamenta: “a população não nos elegeu para disputas internas”. Questionado sobre a atuação dos filhos de Bolsonaro no governo, Moisés foi sucinto. “Não me refiro a eles e espero que eles nunca se refiram a mim”, disse. Abaixo, um resumo da entrevista por telefone que o governador concedeu a VEJA:

O senhor chamou a atenção em nível nacional por encampar pautas que não estão alinhadas com o que se entende por bolsonarismo. Projetou incentivos fiscais para quem usar menos agrotóxicos e se reuniu com representantes do MST e da comunidade LGBT. Há no senhor uma disposição maior em negociar com o contraditório?

Eu nunca tinha passado pela política. Nunca fui candidato nem na universidade nem no meu condomínio. De repente, levanto uma bandeira, entro numa eleição, vou ao segundo turno e tenho uma votação expressiva. Isso me deu uma responsabilidade muito alta e não mudou o meu estilo de ser. Ao longo da minha vida, e por uma questão muito pessoal, eu nunca tive uma bandeira radical. Não significa que essas são pautas de esquerda. Você precisa ter uma visão equilibrada. A questão dos agrotóxicos não é de esquerda. É uma realidade brasileira. Nós não estamos proibindo o uso, mas incentivando a transição de uma cultura tecnicista para uma mais natural. O que houve foi um exagero na reação, porque esse assunto era um tabu no governo até então. Não é só em Santa Catarina, isso tem que ser tratado pelo país.

Não é contraditório fazer a defesa dessas pautas no PSL?

Quando fui convidado para o PSL, fui ler o estatuto para saber ao que estava me agremiando. O texto era leve e pregava o que eu acreditava, como a menor intervenção do estado e algumas bandeiras importantes que não são radicais de direita, mas são conservadoras em relação à proteção das crianças. Eu já superei esses assuntos de forma tranquila. É querer acender um incêndio que não existe mais. Todos já sabem nosso jeito de governar. Aqui todos serão respeitados e ‘ai’ daqueles que desrespeitarem os direitos das pessoas e as opções delas. Isso não nos causa nenhum barulho, não é nenhuma marca do meu governo. Não me considero um defensor dos menores, dos pobres e das minorias. Eu só estou governando para todos.

Mas essa postura já provocou cisões entre o senhor e integrantes da base bolsonarista.

Essa base a que você se refere muitas vezes é mais radical e defende causas excludentes. Existem pessoas que não toleram nem que você ouça os outros. É um grupo pequeno, formado por alguns deputados e políticos que se elegeram com o apoio de 1% ou 2% da população dos seus estados. Essa é a porcentagem de pessoas que pensam dessa forma. Eles se alimentam da violência e precisam criar fatos e agredir alguém nas redes sociais para manter um pleno diálogo com esses eleitores.

  • O PSL elegeu seis deputados estaduais em Santa Catarina. Estamos falando de quatro deputados que, por opções ideológicas, fazem oposição ao seu governo, entre eles Ana Campagnolo, que é um ícone do bolsonarismo.

    Não são posições ideológicas, não. Eu diria que são questões até menos nobres, porque esses deputados fazem oposição ao governo por defenderem causas pessoais. Um desses deputados queria apoio para fazer um projeto de lei que exigia exame toxicológico em professores. Eu disse que achava ótimo, desde que todos os deputados e servidores públicos fizessem. E aí fui acusado de não apoiá-lo. Era uma perseguição contra uma categoria. Como vou apoiar um projeto sem qualquer razoabilidade? Isso não é ideologia, é querer protagonismo entre um grupo minoritário que ofende os professores. Faz parte da estratégia de manter a beligerância para continuarem eleitos. Mas, ao seu tempo, as pessoas terão maior discernimento para escolher melhor os seus representantes. Essas bandeiras sectárias são muito perniciosas para uma democracia.

    O senhor diz que essa base extremista é muito pequena. A internet faz parecer que ela é maior?

    A internet democratizou o acesso à comunicação tanto para as pessoas que têm um conteúdo a entregar quanto para os radicais, para os menos informados e para aqueles que acreditam em conspirações. Tenho muito receio de falar palavras mais duras, mas os sábios e os imbecis agora têm acesso às suas ideias. Há um grupo de pessoas no Brasil que não sabe para onde ir. É sempre um risco quando há um imbecil falando e uma plateia com fome, querendo consumir qualquer coisa porque está desorientada.

    Esse discurso que o senhor faz contra os extremismos também não se aplica ao presidente Jair Bolsonaro?

    Não acredito que seja nem a intenção nem o perfil do presidente. Também não avalizo todas as falas do presidente Bolsonaro, mas percebo que ele é mal compreendido. Uma fala sem contexto pode ter um recado muito mais duro do que quando existe o contexto de diálogo. Vejo em Santa Catarina um radicalismo que não consigo comparar ao âmbito nacional. Eu entendo que o presidente tem as pautas dele e que ainda conta com o apoio maciço dos brasileiros.

    Continua após a publicidade

    O senhor já disse que governantes tinham de se preocupar com pautas de estadistas. O governo federal tem escolhido melhor as suas prioridades?

    As escolhas são melhores do que antes, mas temos pautas que não andaram na velocidade que deveriam ter andado. Pode ter ocorrido uma dificuldade no diálogo com o Congresso, mas há uma necessidade de os deputados assumirem o protagonismo. Dou o exemplo de estados e municípios terem ficado fora da reforma da Previdência. Que culpa o governo federal tem nisso? Essa é uma omissão do Congresso. Não tenho medo nenhum de dizer. Não precisamos ter o foco só em uma pessoa.

    O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (à esq.), com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Justiça, Sergio Moro Alan Santos/PR

    Os reveses na aprovação da reforma da Previdência são resultado da falta de articulação do governo com o Congresso. A indicação do Eduardo Bolsonaro para ser embaixador não prejudicou o andamento da reforma no Senado, por exemplo?

    A indicação do Eduardo é uma pauta conflitante, mas é legítima. Eu não posso dizer quem o presidente deveria ter escolhido. E não significa que as pautas não possam ser tratadas conjuntamente. A questão é qual é o esforço que o governo vai empenhar em pautas nacionais. A questão da embaixada é importante na relação bilateral com os Estados Unidos, mas eu concordo que tínhamos outras mais urgentes. Também é preciso ter muito cuidado porque tudo serve de crítica. Dizer que o protagonismo é do presidente do Senado ou da Câmara já conta com um ingrediente político. Já estamos tratando de eleição de 2022, então toda fala minha é muito perigosa. As pessoas que levantam essas bandeiras estão antecipando votos. Eu penso que há muita maldade no meio político.

    Como o senhor avalia a crise no PSL?

    Não é uma disputa específica entre Luciano Bivar e o Bolsonaro. É uma disputa partidária, porque o partido se tornou algo valioso. Não no sentido meramente monetário, mas se tornou o maior partido do país, terá o maior tempo de TV, um dos maiores fundos partidário e eleitoral. Não podemos infantilizar e dizer que essas questões não valem nada. Isso tem valor para perpetuar algumas pessoas na sua jornada política. Mas, para mim, isso não é o mais relevante. Nesse jogo todo existem pessoas com posicionamentos diversos e personalidades fortes. Há disputas pessoais que, quando o ambiente de diálogo não é estabelecido, acarretam em rupturas. Eu prefiro não julgar o mérito. Em Santa Catarina, caminho bem porque separei a questão político-partidária do governo.

  • O senhor mencionou que governa de acordo com o estatuto do PSL. Diante da crise, seria o caso de excluir do partido as pessoas que não se adequam a ele?

    Não teria como fazer nenhum crivo. Da mesma forma que ninguém fez um filtro quando eu entrei, vários outros entraram. O partido foi só um instrumento. É inegável que o presidente reuniu pessoas em torno de uma causa, que levantou bandeiras contra a corrupção. Mas é inegável que para essa causa vieram os republicanos e os não republicanos. Vieram aqueles que tinham bons interesses com o erário público e aqueles que queriam perpetrar ações que não deveriam ser feitas. É impossível fazer uma peneira, mas eu digo que a população não nos elegeu para disputas internas. A população nos elegeu para entregar resultados. E quem não está cumprindo com isso deve sair.

    Os filhos do Bolsonaro ajudam ou atrapalham o governo?

    Eu prefiro não me manifestar sobre os filhos do presidente. Não me refiro a eles e espero que eles nunca se refiram a mim.

    O senhor deixaria o PSL caso Bolsonaro resolva ir para outro partido?

    Enquanto o partido me desejar, eu não tenho nenhuma necessidade nem vontade de deixar a agremiação.

    Continua após a publicidade
    Publicidade