Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

‘Falta de sorte’, diz Heleno sobre prisão de militar às vésperas do G20

'Acaba tendo uma repercussão mundial que poderia não ter tido', disse o ministro. Segundo-sargento foi preso com 39 kg de cocaína em avião da FAB na Espanha

Por Da Redação Atualizado em 27 jun 2019, 16h43 - Publicado em 27 jun 2019, 12h08

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, classificou como “uma falta de sorte” que tenha acontecido às vésperas da cúpula do G20 a prisão do segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, na Espanha, por transportar 39 quilos de cocaína em sua bagagem pessoal, em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB). O veículo é uma aeronave reserva da Presidência.

“Podia não ter acontecido, né? Foi uma falta de sorte acontecer exatamente na hora de um evento mundial e acaba tendo uma repercussão mundial que poderia não ter tido. Foi um fato muito desagradável”, afirmou Heleno em Osaka, Japão, onde acompanha o presidente Jair Bolsonaro (PSL) para a reunião das 20 maiores economias do mundo.

Heleno, contudo, minimizou o impacto da prisão na imagem do país. “Se mudar a imagem do Brasil por causa disso, realmente, só se a gente não estivesse sabendo da quantidade de tráfico de droga que tem no mundo”, afirmou o general.

O ministro descartou a possibilidade de o GSI atuar na questão. “A Força Aérea diz que vai aperfeiçoar o seu esquema de segurança. Claro que isso aí não é uma coisa normal, então houve um problema, que escapou. Cada um tem o seu cada qual. A revista de passageiros, de malas, para os aviões da FAB são encargo da FAB, que não é subordinada a mim. Então, o GSI não tem nada que ver com isso, zero”, argumentou.

Heleno afirmou ainda que todos que entram no avião presidencial têm a mala revistada, inclusive o presidente, mas disse que não há “efetivo” para manter o esquema de vigilância por todo o tempo. “O que vocês têm que entender é que esse sargento era da comissaria, ele chega muito antes. Você não tem efetivo para manter todo tempo um esquema de vigilância”.

Laranjas do PSL

Quando questionado sobre a prisão de Mateus Von Rondon, assessor especial do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, Heleno alegou não ter conhecimento da questão. “Nem sabia. Foi agora? Bolsonaro nem sabe, garanto que ele não sabe”, disse. A Polícia Federal prendeu Rondon nesta quinta-feira, em Brasília, na Operação Sufrágio Ostentação, que investiga supostas candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)