Clique e assine a partir de 9,90/mês

Em game, Bolsonaro agride negros e gays e atropela militantes sem-terra

'Bolsomito 2k18' é vendido na internet por 8,91 reais e propõe ao jogador derrotar os 'males do comunismo'; 'Muita porrada e boas risadas', diz desenvolvedor

Por Da Redação - 9 out 2018, 20h49

Uma desenvolvedora de games criou um jogo, disponível na internet, em que o candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, atropela e mata militantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) que bloqueiam uma estrada, agride negros numa escola, enfrenta o apresentador da Globo William Bonner nos estúdios do Jornal Nacional e bate em homossexuais na Avenida Paulista, em São Paulo, durante o que parece ser a Parada Gay.

Com o nome de “Bolsomito 2k18”, o jogo pode ser adquirido por 8,91 reais, na plataforma de jogos Steam. Ele foi lançado no último dia 5, dois dias antes do primeiro turno das eleições deste ano. Sua descrição diz: “Derrote os males do comunismo nesse game politicamente incorreto, e seja o herói que vai livrar uma nação da miséria. Esteja preparado para enfrentar os mais diferentes tipos de inimigos que pretendem instaurar uma ditadura ideológica criminosa no país. Muita porrada e boas risadas”.

O jogo também traz como personagens que pedem ajuda a Bolsonaro para eliminar agentes do “Exército Vermelho” o político Enéas Carneiro (1938-2007), o comediante Danilo Gentili, o ex-ator pornô Alexandre Frota e o escritor Olavo de Carvalho.

Segundo a desenvolvedora, o game, no estilo briga de rua, conta “a história de um homem farto de viver em uma sociedade corrompida por um inimigo ideológico, que pretende se perpetuar no poder através de uma ditadura comunista”. A empresa diz ainda que o jogo foi inspirado no “atual momento político brasileiro” e “tem como protagonista um cidadão de bem que está cansado da crescente corrupção e inversão de valores que abala a sociedade”.

Continua após a publicidade

A reportagem não conseguiu contato com a B2 Studios, identificada como desenvolvedora do jogo. Também procurou a Valve Corporation — que tem sede nos EUA e que é dona da Steam, que disponibiliza o jogo –, por meio de seu site, mas não obteve resposta.

Publicidade