Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Eduardo Bolsonaro estuda história em canal acusado de ‘fake news’

Apesar de ainda não ter sido indicado para embaixada nos EUA, Zero Três diz se preparar para sabatina no Senado com vídeos de caráter conservador

Por Giovanna Romano - Atualizado em 15 out 2019, 12h29 - Publicado em 27 ago 2019, 11h49

Apesar de ainda não ter sido oficialmente indicado ao Senado para ser embaixador do Brasil em Washington, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) informou que se prepara para a sabatina na Casa com um curso online de história. A fonte dos estudos do Zero Três é o Brasil Paralelo, um canal de Youtube com conteúdos conservadores alinhados ao liberalismo econômico — e que já levou o Tribunal Superior Eleitoral a se manifestar contra um vídeo que continha informações falsas sobre as urnas eletrônicas no pleito de 2018.

Em nota, a Brasil Paralelo negou que o documentário tenha viés politico ou ideológico, referindo tratar-se de “uma análise puramente historiográfica nacional que não consiste em fake news.”

Três dias antes do primeiro turno, o canal publicou um vídeo que indicava uma probabilidade de 73,14% de fraude na última eleição presidencial, disputada por Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB). Essa informação foi contestada pelo TSE. “Conforme apurado por especialistas, o método utilizado, por si só, não é capaz de provar qualquer irregularidade”, afirmou o tribunal em nota. O conteúdo, entretanto, não foi apagado pelo canal e conta com mais de um 1,5 milhão de visualizações.

O Brasil Paralelo é um canal fundado em 2016 que produz conteúdos audiovisuais, principalmente séries documentais e entrevistas com especialistas sobre temas políticos e econômicos. Em um de seus conteúdos, os criadores reuniram 88 depoimentos de personalidades de direita, como o “guru ideológico” Olavo de Carvalho, para lançar uma série sobre o Congresso Nacional. O próprio Eduardo Bolsonaro foi entrevistado para o documentário. À época, o deputado criticou a Lei Rouanet e os artistas que utilizavam os recursos da lei de incentivos fiscais para a realização de shows e eventos culturais, como o cantor Luan Santana.

O vídeo a que Eduardo Bolsonaro assistiu para se preparar para uma possível sabatina no Senado integra o documentário Brasil, a Última Cruzada, com a participação de sessenta entrevistados — entre eles, mais uma vez, Olavo de Carvalho. De acordo com o canal, o conteúdo tem a finalidade de “resgatar” a história do Brasil.

“Quantos brasileiros dizem sentir vergonha do seu país por conta de não conhecer suas raízes? Culpamos política, cultura e o que mais vier pela frente, mas nada disso é maior que a nossa origem, nosso real propósito de termos nascido nesta terra abençoada”, diz o texto que descreve o documentário.

Publicidade