Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dilma e Lula comemoram vitória de chapa de Cristina Kirchner na Argentina

Ex-presidente classificou o resultado como "triunfo animador das forças progressistas sobre o neoliberalismo"

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) comemorou em sua conta no Twitter a vitória da chapa Frente de Todos, formada por Alberto Fernández e pela ex-presidente Cristina Kirchner, nas eleições primárias da Argentina no último domingo. O resultado impôs uma dura derrota ao presidente Mauricio Macri, que busca a reeleição.

“A vitória da chapa Alberto Fernández-Cristina Kirchner nas prévias presidenciais é uma luz no fim do túnel para o povo argentino e para a América Latina e um enorme alento para todos que lutamos pela democracia. Triunfo animador das forças progressistas sobre o neoliberalismo”, tuitou Dilma.

Em sua conta oficial no Twitter, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva parabenizou Fernandez e Cristina. “É preciso dar esperança ao povo, trazer dias melhores e cuidar de quem mais precisa. Um forte abraço do amigo Lula”, escreveu a assessoria do presidente, que recebeu um agradecimento do candidato presidencial.

 

O resultado das prévias no país vizinho também foi comemorado por outros petistas, como deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS). Ele chamou o resultado de “triunfo colossal” e o classificou como um “aviso prévio” ao presidente Jair Bolsonaro de que o “clima está mudando na América Latina”. O parlamentar também criticou a reação do mercado financeiro. “Os abutres do mercado financeiro na Argentina jogaram a toalha e dão como certa a derrota de Macri. Aí atacam a moeda do país, fazendo o dólar disparar de 46 para 60 pesos em minutos. E como resposta a taxa de juros subiu para 74%”

A presidente do PT Gleisi Hoffmann também manifestou seu apoio à chapa de Kirchner. “Dia de esperança hoje na Argentina com a vitória nas prévias eleitorais de @alferdez e @CFKArgentina sobre o neoliberalismo de Macri! Sucesso e parabéns ao povo argentino por decidir que o melhor caminho é o desenvolvimento econômico e social e o combate às desigualdades.”

Já o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou, em evento no Rio Grande de Sul, que a volta da ex-presidente ao poder colocará “a Argentina no caminho da Venezuela” e ele não quer “irmãos argentinos fugindo para cá”. “Se essa esquerdalha voltar aqui na Argentina, nós poderemos ter, sim, no Rio Grande do Sul, um novo estado de Roraima. E não queremos isso: irmão argentinos fugindo pra cá, tendo em vista o que de ruim parece que deve se concretizar por lá caso essas eleições realizadas ontem se confirmem agora no mês de outubro”, disse Bolsonaro nesta segunda-feira, 12, em evento na cidade de Pelotas (RS).

O comentário de Bolsonaro foi reprovado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). “A gente deveria primeiro aguardar o resultado do processo eleitoral para depois tomar qualquer tipo de atitude. Isso é importante para não ficar parecendo tentativa de interferência. Não sei se essa tentativa é real ou não. Mas sendo, acho que talvez dê voto e até consolide voto pra chapa da ex-presidente Kirchner. Creio que ninguém goste de ver interferência de um país no outro”, avaliou Maia em entrevista ao programa Roda Viva.