Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Desembargador rebate Moro e mandar soltar Lula imediatamente

Após ter sua decisão de soltar Lula questionada pelo juiz de primeira instância, magistrado reafirma que ex-presidente tem de ser libertado

Por Guilherme Venaglia - Atualizado em 8 jul 2018, 15h30 - Publicado em 8 jul 2018, 13h49

O desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), que deferiu habeas corpus apresentado por três deputados federais do PT e determinou a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva neste domingo, publicou um novo despacho após o juiz Sergio Moro, que responde pela primeira instância da Operação Lava Jato, em Curitiba, ter orientado a Polícia Federal a aguardar uma posição do relator oficial do caso, João Pedro Gebran Neto.

No novo despacho, Favreto determina que Lula seja libertado “com urgência”. “Registro ainda, que sem adentrar na funcionalidade interna da Polícia Federal, o cumprimento do alvará de soltura não requer maiores dificuldades e deve ser efetivado por qualquer agente federal que estiver na atividade plantonista, não havendo necessidade da presença de delegado local”, escreveu.

Acompanhe ao vivo as últimas notícias sobre o pedido de soltura de Lula

Com a posição do desembargador, o ex-presidente deverá ser solto nas próximas horas (atualização: Gebran Neto, relator do caso, suspendeu a soltura). Mais cedo, Moro havia afirmado que como a decisão que o autorizou a prender Lula foi dada por uma turma do TRF4, formada por três desembargadores, Rogério Favreto não teria “competência” para soltar o petista.

Publicidade