Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Deputado Eduardo Bolsonaro propõe lei que criminaliza o comunismo

Político do PSC-SP, filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-SP), sugere alterações em leis para coibir o 'fomento ao embate de classes sociais'

Por Da Redação Atualizado em 25 jul 2017, 16h32 - Publicado em 24 jul 2017, 15h58

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), filho do também deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), propôs um projeto de lei que propõe a criminalização da apologia ao comunismo. A proposição incluiria o crime de “fomento ao embate de classes sociais” na Lei Antirracismo e na Lei Antiterrorismo.  O texto é datado de maio do ano passado e precisa ser analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de ser votado pelo plenário da Câmara.

No caso da Lei Antirracismo, a alteração proposta por Bolsonaro implicaria em pena de um a três anos de prisão e multa. Além disso, o deputado quer criminalizar a fabricação, comercialização, distribuição ou veiculação de símbolos ou propagandas que utilizem a foice e o martelo ou quaisquer outros meios de divulgação favoráveis ao comunismo. A pena, no caso, seria de dois a cinco anos de prisão e multa – a mesma punição é prevista para o crime de apologia ao nazismo.

A alteração na Lei Antiterrorismo teria o objetivo de classificar o “fomento ao embate de classes sociais” como ato terrorista. O crime seria caracterizado quando houver o intento de provocar terror social ou generalizado. Segundo a proposição, quem fizer apologia a regimes comunistas ou a pessoas que praticaram atos terroristas será punido com a pena correspondente ao delito consumado, diminuída de um quarto até a metade. Os crimes seriam caracterizados como “atos preparatórios ao comunismo”.

Bolsonaro sugere que a Lei Antiterrorismo suprima a exceção feita às manifestações políticas ou sociais. O deputado alega que os movimentos são manipulados para depredar o patrimônio público e praticar o terror “com suas ações para divulgar seus propósitos”.

Continua após a publicidade

O deputado diz que a proposta “tem por finalidade dar um basta na manipulação mentirosa perpetrada por políticos profissionais, que iludem pessoas bem intencionadas e distorcem fatos históricos, ocultando o que verdadeiramente está por trás das falácias comunistas”. “Usam da mentira para iludir e manipular a boa-fé de inocentes úteis ao seu projeto de poder.”

No texto da proposta, Bolsonaro defende a ditadura militar (1964-1985) e coloca em dúvida as práticas de tortura empregadas contra opositores. “O Estado brasileiro teve de usar seus recursos para fazer frente a grupos que não admitiam a ordem vigente e, sob esse argumento, implantaram o terror no país.”

O deputado afirmou que a democracia brasileira permitiu que a ideologia comunista se estabelecesse no país e critica a atuação da Comissão Nacional da Verdade, que, segundo ele, analisou “um lado da história” e transformou “apenas os militares e demais agentes do estado em criminosos”. Para Bolsonaro, criminalizar o comunismo fará com que a “verdade liberte nossa sociedade e nos conduza para a ordem e o progresso”.

Clique aqui para ler a íntegra do projeto de lei.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês