Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Curitiba terá segundo turno entre Greca e Leprevost

Eleição no berço da Lava Jato confirmou desgaste do PT: isolado, Veneri amargou a 6ª colocação

Por Nicole Fusco Atualizado em 2 out 2016, 18h21 - Publicado em 2 out 2016, 17h57

Com 100% das urnas apuradas, a eleição em Curitiba será definida em segundo turno pelos candidatos Rafael Greca (PMN) e Ney Leprevost (PSD). Ex-prefeito da capital paranaense, Greca esteve perto de levar a disputa já no primeiro turno, mas despencou nas pesquisas já na reta final da campanha depois de uma declaração infeliz sobre ter vomitado ao sentir o cheiro de um morador de rua. Ele amealhou 38,3% do total, enquanto Leprevost obteve 23,66% do total.

Leia mais:
Pesquisa: 59% dos curitibanos desaprovam gestão de Fruet
Líder em Curitiba, Greca diz que vomitou por causa de ‘cheiro de pobre’

O resultado foi diferente do que indicava a última pesquisa Ibope, divulgada neste sábado. O atual prefeito, que tentava a reeleição, Gustavo Fruet (PSD), estava 5% à frente de Ney Leprevost – o primeiro com 22% das intenções de voto contra 17% do candidato do PSD. Na apuração, Fruet ficou com 20,02%. O cenário é o mesmo que de 2012: quando o então prefeito Luciano Ducci (PSB) foi o único à reeleição derrotado ainda no primeiro turno.

Durante a campanha, Greca apostou no bordão nostálgico “Volta, Curitiba”. Ele esteve à frente da administração municipal entre 1993 e 1996. O resultado deste domingo confirma também o isolamento do PT no berço da Lava Jato: sem sequer formar coligação, Tadeu Veneri amargou o 6º lugar.

Para Bruno Bolognesi, professor de Ciência Política da Universidade Federal do Paraná, a vitória de Ney sobre Fruet se deu por duas razões: a primeira é que Rafael Greca e Gustavo Fruet disputam o mesmo eleitorado e a segunda é o foco que Leprevost deu a sua campanha. “A campanha do Ney teve mais propostas de bairro, tinha mais cara de prefeito. Já a campanha do atual prefeito foi muito vazia”, analisou Bolognesi.

O segundo turno, porem, continua indefinido, segundo o cientista político. Embora Greca esteja em vantagem já que essa é a primeira eleição de seu adversário, as pesquisas mostram que “as retas são aopostas”. “Greca está em quedam, enquanto Ney está crescendo”, disse. “As chances do Ney Leprevost crescer aumenta porque as doações, os financiamentos e os apoios aumentam”, concluiu.

Continua após a publicidade
Publicidade