Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Congresso volta ao trabalho com duas pautas sensíveis para Bolsonaro

Na mesa de discussões, estão a indicação do embaixador dos Estados Unidos e pedido de impeachment

Por Eduardo Gonçalves - Atualizado em 5 ago 2019, 20h01 - Publicado em 5 ago 2019, 12h02

Após vinte dias de recesso, deputados e senadores voltam ao trabalho nesta semana com os ânimos acirrados com o Palácio do Planalto. Dois assuntos, dos quais quase nenhum parlamentar comentava no início de julho, agora ganharam força – um é a possibilidade de protocolar um pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro – os partidos de oposição marcaram uma reunião para discutir esse tema nesta terça-feira. O outro é a aprovação do deputado Eduardo Bolsonaro para a embaixada em Washington pelo Senado – a expectativa é que a indicação seja formalizada ainda nesta semana.

Além dessas duas pautas, que vão dar o que falar, a temperatura deve aumentar com a votação em segundo turno da Reforma da Previdência – o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marcou para esta terça-feira o início do pleito da PEC que endurece as regras de aposentadoria. A dúvida é se ele conseguirá manter o placar favorável do primeiro round, de 379 votos ante 131 contra.

Outras propostas que devem ser apreciadas no Congresso é a reforma tributária – por enquanto, há dois grandes projetos em debate, um capitaneado por Maia e outro pelo ministro da Economia, Paulo Guedes – e o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro.

Além da nomeação do embaixador nos Estados Unidos, o Senado também terá que terá que avalizar quem será o próximo Procurador Geral da República – o mandato de Raquel Dodge acaba em setembro, mas há chances de ela ser reconduzida ao posto. A indicação depende de Bolsonaro, que anunciou que revelará o escolhido até 17 de agosto.

Publicidade

Também neste mês, devem ser escolhidos pelos partidos os membros da CPI mista das Fake News, criada no início de julho. Ainda não está definido o objeto central do que será investigado pela comissão, mas a Operação Spoofing deflagrada em 23 de julho já entrou na mira de deputados e senadores, que manifestaram o interesse de convocar os hackers para falar ao Congresso.

OUÇA A ANÁLISE DO PODCAST TRAUMANN TRADUZ SOBRE A POSSIBILIDADE DE IMPEACHMENT DE BOLSONARO

Publicidade