Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A turma do STF que abala as estruturas da Lava Jato

Colegiado solta o ex-ministro José Dirceu e, sob a liderança de Gilmar Mendes, o mais falante e aguerrido da Corte, põe em risco avanços contra a corrupção

Conhecida como “Jardim do Éden”, pela leveza com que solta presos e suspende ações de investigação, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), composta de cinco ministros, tem sido uma potente ameaça aos avanços da Lava-Jato, a maior e a mais bem-sucedida operação contra a corrupção da história do Brasil. Acompanhe-se o desempenho multipartidário da turma na semana passada: trancou uma ação penal contra um deputado do PSDB, manteve a liberdade de um operador financeiro do MDB, anulou a busca e apreensão no apartamento de uma senadora do PT, garantiu a liberdade a um ex-­assessor do PP e, na decisão mais barulhenta, tirou da prisão o ex-ministro José Dirceu, condenado a mais de trinta anos por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A maioria dos ministros do “Jardim do Éden” — Gilmar Mendes, o mais ativo e aguerrido de todos, dono de sólida base jurídica; Dias Toffoli, o mais jovem e único que foi reprovado em concurso para juiz de primeira instância; e Ricardo Lewandowski, outro com vasta bagagem jurídica e dono de atuação discretíssima — pensa e age de maneira muita parecida. Os três são críticos severos dos métodos de investigação da Lava-Jato. Já se posicionaram contra as prisões preventivas alongadas, os acordos de delação premiada e o cumprimento da pena após a condenação em segunda instância — três dos pilares que fizeram a glória da operação.

Só em um debate jurídico raso se pode acusar os três ministros de jogarem a favor da corrução e da impunidade, votando movidos por interesses inconfessáveis. Sob qualquer aspecto que se examine a questão, eles desempenham seu ofício com ética e correção. Só que suas decisões têm um efeito inequívoco e que não deve ser ignorado: abalam as estruturas legais que sustentam a Lava-Jato.

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Ou adquira a edição desta semana, a partir desta sexta-feira, 29 de junho de 2018, para iOS e Android.
Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nelson Marchetto

    Não só ABALAM, DESTROEM o que foi conquistado à duras penas!!!

    Curtir

  2. Otavio Santos

    Se fosse feita uma pesquisa de opinião entre os cidadãos de bem, bem esclarecidas, sobre o que pensam sobre esse trio, certamente o resultado seria óbvio…

    Curtir

  3. Marcia Castro

    A cronista evidentemente quer posar de “isentona” e “imparcial” defendendo o indefensável. Sugiro à mesma que busque nas biografias dos tais magistrados, o “notável saber juridico” SQN. E ainda tenta justificar o fato de que esse Senhores estão comprometidos com bandidos, quadrilheiros e corruptos. Para seu próprio benefício, evidentemente.

    Curtir

  4. news da hora

    O trio ministralhas que apoiam políticos bandidos como Lula , e bandidos ricos .

    Curtir

  5. ViP Berbigao

    kkkk CPB – Art. 288 ???? kkkkk

    Curtir

  6. Se estas figuras deploráveis são defensores da lei, porque soltam corruptos condenados inclusive em segunda instância? Porque os advogados de Lula querem tanto que o seu HC seja julgado pela segunda turma composta por estas figuras e não pelo plenário? Tudo muito estranho!!!

    Curtir

  7. Jayme Brandão de Nazareth

    Nem tudo está perdido. O Tofoli vai pra presidencia do stf em setembro. Presidente pode mais só tem um voto igual aos outros. Em compensação a Carmem Lucia vai pro seu lugar na segunda turma e aí sim da um freio de arrumação na baderna que constitui hoje aquela turma, acaba com o 3×2 garantido, podendo ficar um2x3 mais honesto.

    Curtir

  8. Macêdo Soares

    A ética dos três juízes, discordando da reportagem, é duvidosa. As leis nao são claras e, portanto, interpretativas. Em consequência, esses só fazem em favor dos bandidos. Eles devem estar ganhando alguma coisa com isso.

    Curtir