O Ministro do Desmatamento

Thomas Traumann analisa como está a gestão de Ricardo Salles na pasta do Meio Ambiente

Por Da Redação - Atualizado em 18 nov 2019, 18h28 - Publicado em 18 nov 2019, 18h19

Pior ministro do Meio Ambiente da história, Ricardo Salles conseguiu um prêmio nesta segunda-feira, 18. Levantamento divulgado pelo Prodes, que é um programa que usa dados de satélites, calculou que, entre agosto de 2018, no começo da campanha eleitoral, até o fim de julho deste ano, foram destruídos 9.762 km² da Amazônia. Este é o maior índice dos últimos dez anos e é 30% maior do que no ano passado. É como se um país do tamanho do Líbano fosse destruído em apenas 12 meses.

Claro que a culpa não é só de Ricardo Salles. Ele teve uma grande ajuda do presidente Jair Bolsonaro. Desde a campanha eleitoral, ele prometia acabar com as multas ambientais, criticava a repressão ao desmatamento e as queimadas, atacava o Ibama e dizia que havia uma indústria de multas no Brasil. Essa posição era claramente contra ao controle ambiental e a favor dos desmatamentos.

E a tendência é que no ano que vem esse desmatamento seja ainda maior.

Entenda neste episódio do podcast Traumann Traduz

Publicidade