Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Xi Jinping pede que Exército chinês intensifique treinamento de guerra

Chefe de Estado afirmou que o mundo está imerso em profundas transformações e, portanto, a segurança chinesa estaria incerta

Por Da Redação
Atualizado em 6 jul 2023, 18h41 - Publicado em 6 jul 2023, 17h07

O presidente da China, Xi Jinping, solicitou que o Exército intensifique o treinamento de guerra para que o país seja capaz de defender a sua soberania, caso necessário. A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 6, pela agência de notícias estatal Xinhua, após a reunião do líder chinês com a secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, que tratou das tensões entre as nações.

Durante uma visita de inspeção ao Comando Oriental, que fornece segurança ao leste do país, o chefe de Estado disse às tropas que o mundo está imerso em profundas transformações e, portanto, a segurança chinesa estaria incerta. O centro militar é responsável, inclusive, por fiscalizar o Estreito de Taiwan, que a China considera parte de seu território.

“Devemos persistir em pensar e lidar com questões militares de uma perspectiva política, ousar lutar, ser bons em lutar e defender resolutamente nossa soberania nacional, segurança e interesses de desenvolvimento”, destacou Xi.

+ Secretária do Tesouro dos EUA chega à China sob tensão entre as partes

Continua após a publicidade

Ainda em março, após conquistar o terceiro mandato, Xi já havia feito um pedido para que a capacitação militar fosse reforçada, de maneira que conseguisse proteger a segurança nacional, para que as Forças Armadas do país alcançassem o patamar de uma “Grande Muralha de Aço”. Ele afirmou, ainda, que quaisquer atividades pró-independência e estimuladas por autoridades externas devem ser combatidas.

O presidente chinês reforçou, além disso, que o contato com líderes taiwaneses deve ser evitado, já que poderia ser interpretado como forma de apoio às intenções secessionistas da “província rebelde”, como considera Taiwan.

+ Estados Unidos recomendam que americanos não viajem à China

Continua após a publicidade

As historicamente estremecidas relações foram agravadas com a visita da então presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, a Taiwan, em agosto do ano passado. Em um telefonema prévio à viagem, Xi alertou o presidente Joe Biden de que “quem brinca com fogo pode ser consumido por ele”, sem citar o nome de Pelosi. Por menos de 24 horas na capital, Taipei, a democrata chamou de “inquebrantável” o compromisso americano com a defesa da democracia taiwanesa.

As declarações, no entanto, não foram bem recebidas pelo Ministério das Relações Exteriores da China, que alertou para o “sério impacto” da visita no futuro das relações sino-americanas. Em junho deste ano, Biden comparou o governo do chinês Xi Jinping a uma ditadura, mas afirmou que seu posicionamento não teria prejudicado o intercâmbio entre as nações.

Os Estados Unidos são o fornecedor internacional de armas mais importante de Taiwan e o crescente apoio dos americanos à ilha está aumentando as tensões na região. A China, por sua vez, condena a presença americana na região e reivindica Taiwan como parte do seu território. Militares chineses não descartam o uso da força para assumir o controle da ilha, caso seja necessário. O governo taiwanês rejeita essas reivindicações e afirma que somente seu povo pode decidir seu futuro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.