Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Vítimas de desabamento em Miami serão indenizadas em US$ 1 bilhão

Desastre em condomínio na Flórida que matou 98 pessoas soterradas, incluindo uma criança brasileira, está entre os mais mortais dos Estados Unidos

Por Da Redação 23 jun 2022, 17h06

Um tribunal da Flórida, nos Estados Unidos, aprovou nesta quinta-feira, 23, uma indenização de US$ 1 bilhão (equivalente a cerca de R$ 5,2 bilhões para vítimas do colapso do condomínio Champlain Towers South, nos arredores de Miami. A decisão ocorre no mês em que o desastre que matou 98 pessoas completa um ano.

“Nunca será suficiente para compensá-los pela trágica perda que sofreram”, disse o juiz do circuito de Miami-Dade, Michael Hanzman. “Este acordo é o melhor que podemos fazer. É um resultado notável. É extraordinário”, completou o magistrado, elogiando as dezenas de advogados envolvidos no caso pela rápida conclusão do processo.

+ Miami: vidas soterradas

A maior parte do montante será destinada às pessoas que perderam membros da família no desabamento do prédio de 12 andares. Cerca de US$ 100 milhões são destinados a honorários advocatícios e US$ 96 milhões reservados para proprietários que perderam uma das 136 unidades do edifício.

Nenhuma vítima apresentou objeções ao acordo ou decidiu desistir, de acordo com oficiais do tribunal.

“Você não tem ideia do alívio que isso é para mim pessoalmente”, disse Raysa Rodriguez sobrevivente do colapso, ao jornal inglês The Guardian. Entre as vítimas fatais está o menino brasileiro Lorenzo de Oliveira Leone e seu pai, de nacionalidade italiana.

Continua após a publicidade

O dinheiro da indenização vem de várias fontes, incluindo seguradoras, empresas de engenharia e um condomínio de luxo cuja construção recente ao lado é suspeita de ter provocado danos estruturais no prédio destruído. Nenhuma das partes admite qualquer irregularidade.

Segundo o Guardian, um bilionário de Dubai anunciou a compra do terreno à beira-mar por US$ 120 milhões, contribuindo para o acordo.

O Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia está liderando a investigação federal sobre as causas do desabamento, que colapsou em segundos uma ala do edifício na madrugada de 24 de junho.

+ Equipes encerram buscas por sobreviventes em prédio que desabou na Flórida

Alguns indícios apontam falta de manutenção do prédio, que foi construído em 1980. Outros possíveis fatores para a queda incluem o aumento do nível do mar causado pelas mudanças climáticas e os danos causados ​​pela intrusão de água salgada.

Com 98 mortos, o desastre está entre os mais letais da história da construção civil dos EUA. Na lista, também constam o colapso da passarela do Hyatt Regency, que matou 11 pessoas em 1981, e um desastre em uma fábrica de Massachusetts em 1860, que matou entre 88 e 145 trabalhadores.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)