Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Vídeo mostra soldados sírios a caminho do matadouro

Militares foram capturados ao tentar fugir de uma base aérea dominada pelos jihadistas. Vídeo com os corpos enfileirados foi publicado na internet

Por Da Redação 28 ago 2014, 16h16

Além de perseguir minorias no Iraque, os terroristas do Estado Islâmico (EI) também estão voltando sua fúria selvagem para os soldados do regime sírio. Um vídeo publicado nesta quinta-feira na internet mostra uma longa fila de homens com as mãos na cabeça e apenas com roupas íntimas sob a mira das armas dos jihadistas. Outras imagens mostram uma pilha de corpos. Os radicais gritam o nome do Estado Islâmico e dizem “não haver mais volta”. A descrição do vídeo menciona 250 mortos.

Segundo a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos, os soldados foram capturados quando tentavam fugir para a província de Hama, depois que o EI invadiu a base aérea de Tabqa, o último ponto de resistência do Exército leal ao ditador Bashar Assad na província de Raqqa.

Leia também:

ONU: Guerra na Síria provocou mais de 191 mil mortes

Equipe da ONU é retida por rebeldes nas Colinas de Golã

A base aérea de Taqba foi dominada pelos extremistas no domingo, após semanas de confrontos com as forças sírias.Segundo o Observatório Sírio, organização com sede na Grã-Bretanha que monitora o conflito, declarou que 1.400 soldados estavam posicionados em Taqba, sendo que 700 conseguiram escapar. Os relatos contradizem o comunicado emitido pelo regime de Assad após a derrota na ofensiva de Taqba. A ditadura síria havia informado que os soldados tinham conseguido se “reagrupar” após “uma evacuação bem-sucedida”.

Leia mais:

Mãe de jornalista sequestrado na Síria faz apelo para terroristas​

Continua após a publicidade

Síria diz que não vai tolerar ataques dos EUA contra terroristas em seu território

Massacre – Na terça-feira, investigadores da ONU divulgaram um relatório que denuncia “atrocidades em larga escala” cometidas pelo EI na Síria. Além de ter recrutado crianças para a luta armada, o grupo terrorista tem executado civis sumariamente. A organização aponta que assassinatos em público são “um espetáculo comum” nas áreas dominadas pelos radicais. A ONU, no entanto, reforçou que forças governistas leais a Assad também tem cometido atrocidades ao bombardear hospitais, usar armas químicas com gás clorídrico e torturar civis até a morte.

O Estado Islâmico avança seus domínios no território sírio e também no Iraque, onde os Estados Unidos estão realizando ataques aéreos para tentar deter os terroristas. O governo americano considera fazer o mesmo do lado da Síria, apesar de o regime ter afirmado que qualquer ação em seu território deverá ser coordenada com as forças do país.

Outros vídeos – Outro vídeo publicado pelo EI mostra soldados curdos peshmerga vestindo roupas cor de laranja – como a usada pelo jornalista americano James Foley ao ser decapitado. Três homens mascarados decapitam um dos homens em frente a uma mesquita em Mosul. O vídeo, intitulado “Uma mensagem com sangue aos líderes da aliança curdo-americana”, exige que o governo curdo retire suas forças das áreas onde elas estão combatendo os terroristas, informou a rede americana CNN.

Em outra gravação relacionada à tomada da base aérea, um soldado do Exército sírio aparece em frente a dezenas de homens seminus sendo interrogado por terroristas. Nas imagens, o jihadista insulta o militar, que pertence à minoria alauíta, a mesma do ditador Bashar Assad. “Quantos você matou? Quantos você estuprou”, gritam os terroristas. “Ninguém, eu apenas guardava o aeroporto”, responde o sírio. Os extremistas também questionam por que o homem não abandonou o Exército. Ao afirmar que seria enviado de volta se fizesse o pedido, o soldado é novamente ameaçado pelos radicais. “Eles te mandariam de volta para o Exército? E nós vamos te mandar de volta para o inferno”, bradam os terroristas. O vídeo não deixa claro se o sírio foi morto após o interrogatório.

(Com agência Reuters)

https://youtube.com/watch?v=Pd1Rms4VOnU%3Frel%3D0

Mapa Estado Islâmico do Iraque e do Levante
Mapa Estado Islâmico do Iraque e do Levante VEJA
Continua após a publicidade
Publicidade